Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Com retrospecto negativo, Inglaterra treina para disputas de pênaltis desde março

Ingleses foram eliminados em seis das últimas sete disputas das quais participaram

Estadão Conteúdo

29 Junho 2018 | 17h10

A Inglaterra se prepara para enfrentar jogos difíceis nas fases finais da Copa do Mundo da Rússia. Tanto que se prepara há quatro meses para possíveis disputas de pênaltis, sem mesmo saber se passaria pela primeira fase da competição.

+ Mata-mata da Copa do Mundo terá duelo de campeões mundiais

+ Capitão da Inglaterra nega 'corpo mole' e lamenta derrota para a Bélgica

"Estamos praticando penalidades e passando por estratégias desde março. Fizemos vários estudos diferentes e fizemos práticas individuais. Vamos passar por isso", afirmou o técnico Gareth Southgate.

O treinador disse, no entanto, que sua equipe está em boa fase para os jogos decisivos do Mundial, mas tem de estar preparada para tudo. "Estamos cientes de que as margens são boas nas fases eliminatórias, mas temos de estar preparados física e mentalmente para ir para a prorrogação e ir além disso, se for necessário."

A preocupação tem fundamento em estatísticas. Nas penalidades, o retrospecto pende para o lado dos ingleses de forma negativa, quase traumática. Nas últimas sete disputas em torneios importantes, perdeu seis. Inclusive, o técnico Southgate desperdiçou uma penalidade na semifinal da Eurocopa de 1996, contra a Alemanha.

 

Pênaltis à parte, a Inglaterra tem desempenho equilibrado quando chega à segunda fase do Mundial. Desde que foi campeã do mundo, em 1966, passou oito vezes pela primeira fase. Foi eliminada em quatro oportunidades nas oitavas de final (1970, 1982, 1998 e 2010) e avançou em outras quatro (1986, 1990, 2002 e 2006).

Nesta sexta-feira, os jogadores ingleses fizeram trabalho na academia, já de olho na partida com a Colômbia na terça-feira, às 15 horas (de Brasília), em Moscou, pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.