Alexandre Vidal/Flamengo
Alexandre Vidal/Flamengo

Com Rogério Ceni questionado, Flamengo precisa ganhar e jogar bem frente o Ceará

Metodologia de trabalho do comandante foi questionada após os dois últimos tropeços, para Fortaleza e Fluminense

Redação, Estadão Conteúdo

10 de janeiro de 2021 | 11h15

Rogério Ceni completa dois meses de Flamengo neste domingo. Mas, sem motivos para comemorar. Amargou eliminações na Libertadores e Copa do Brasil e chega para o duelo com o Ceará, às 16 horas, no Maracanã, sob questionamento. O time precisa ganhar para se manter vivo na briga pelo título e jogar bem para aliviar as cobranças sobre o treinador.

A metodologia de trabalho do comandante foi questionada após os dois últimos tropeços. Depois de um 0 a 0 com o Fortaleza, conselheiros ficaram bastante irritados após a virada sofrida diante do Fluminense. A reclamação é, sobretudo, pela "falta de disposição" de alguns titulares e a inoperância ofensiva.

Para piorar a situação do atual técnico, torcedores fazem coro nas redes sociais para Jorge Jesus deixar o Benfica e voltar ao clube. O português ganhou tudo em 2019 e já deixava saudades desde a época de Domenèc Torrent, demitido para a vinda de Ceni. O muro da Gávea foi pichado na sexta-feira com um pedido: "Fora RC".

Alheio às cobranças, Ceni tem mais uma missão no time carioca: provar que ainda tem o elenco na mão. Dizer que o time "perdeu por causa dos erros individuais" diante do Fluminense, pode não ter caído bem.

Os dois tropeços seguidos custaram cinco pontos do Flamengo e tiraram a chance de a equipe depender de suas próprias forças. Os cariocas estão sete pontos atrás do líder São Paulo, com um jogo a menos e o confronto direto.

Agora, o discurso é de volta às vitórias em sequência. "Se a gente quer ser campeão, tem de vencer, não tem outro resultado a não ser vencer", enfatiza o atacante Bruno Henrique, já imaginando um duelo semelhante ao clássico. "A equipe do Ceará com certeza vai vir da mesma forma que o Fluminense veio. Até bizarro falar isso, mas o Fluminense estava batendo falta do meio campo, jogando na bola parada."

O atacante garante que o time já superou o tropeço diante do Fluminense. "Não estamos abalados. A gente fica triste quando perde, nosso time é um grupo experiente e que quando acontece essas coisas chateia todo mundo", disse o atacante. "A gente tem que pensar no próximo jogo, não tem que deixar se abater, temos jogos ainda pela frente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.