Rafael Ribeiro/Vasco
Rafael Ribeiro/Vasco

Com salários atrasados, vascaínos fazem pronunciamento; Galhardo é dispensado

'Isso incomodou a gente. Não é verdade', esclareceu o capitão Leandro Castán, que não jogou por conta de lesão

Redação, Estadão Conteúdo

07 de abril de 2019 | 21h26

Nem tudo foi comemoração após a vitória por 2 a 1 sobre o Bangu e a classificação do Vasco à final do Campeonato Carioca na tarde deste domingo. Ainda no Maracanã, boa parte do elenco se dirigiu até a sala de imprensa para um pronunciamento rápido sobre as polêmicas que envolveram o clube antes do duelo.

Quem assumiu o microfone foi o zagueiro Leandro Castán, que ficou de fora da partida por conta de uma lesão. O elenco vascaíno decidiu falar depois de uma reunião de 1h30min no vestiário junto com o técnico Alberto Valentim, o presidente Alexandre Campello e o diretor de futebol Alexandre Farias.

"Houve uma reunião na sexta-feira no CT. Vazou que quatro jogadores cobraram o diretor. Isso incomodou a gente. Não é verdade. Eu fui um dos que falei. Estávamos resolvendo tudo internamente. Respeitamos a instituição. Quero deixar claro isso. A equipe se concentrou para esse jogo. São informações que estão vazando e atrapalhando. Estamos aqui para defender esses jogadores. O Maxi é muito importante para a gente, o Luiz (Gustavo) ano passado ajudou a gente para caramba, o Pikachu foi artilheiro do time... O grupo é fechado, é unido e todo mundo sabe que só assim faremos diferente do ano passado", comentou o jogador.

O Vasco viveu dias turbulentos antes da semifinal do Campeonato Carioca. Tudo começou na sexta-feira quando o elenco decidiu não se concentrar para a partida por causa dos atrasos de salários. No dia seguinte, o presidente do Vasco, Alexandre Campello, se reuniu com o elenco para falar os problemas financeiros e os jogadores acabaram voltando atrás e indo para a concentração.

O argentino Maxi López se recuperava de problema nas costas e havia pedido para não entrar em campo. Após a reunião com o mandatário, ele mudou de ideia e falou com a comissão técnica para jogar, mas acabou cortado da convocação, assim como Thiago Galhardo, que foi barrado sem ter motivo aparente.

"Da forma que saiu não é verdade. Não foram quatro jogadores que conversaram e reivindicaram. Todo mundo procurando o melhor para o Vasco, cada um na sua função. O Pikachu não está em segundo plano. Preferi colocar o Yan (Sasse), Raul e Lucas Santos no jogo. Maxi treinou com a gente parte da quinta, sexta o tempo todo, se sentindo melhor, mas a gente tem protocolo para seguir. Claro que queria ter todos à disposição, mas tem que resguardar o atleta", acrescentou Valentim, que tentou evitar durante toda coletiva a comentar sobre problemas internos.

GALHARDO É DISPENSADO

Também na noite deste domingo, o Vasco anunciou, por meio de curta nota oficial, que o meia Thiago Galhardo foi dispensado. O clube se limitou a justificar que, "por decisão da diretoria", ele "não faz mais parte dos planos do clube".

Galhardo é apontado como um dos jogadores que organizaram a reunião da última sexta-feira, quando teria tido participação ativa na conversa com os dirigentes. O jogador também estava incomodado por não ter sido procurado pela direção para tratar da renovação do seu contrato, que iria até o final deste ano.

No sábado, o atleta também foi cortado por Valentim do grupo de jogadores relacionados para enfrentar o Bangu, depois de ter figurado em uma lista inicial montada pelo treinador. Porém, em conflito com os cartolas vascaínos, ele foi substituído pelo lateral Claudio Winck nesta listagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.