Alexandre Vidal/Flamengo
Alexandre Vidal/Flamengo

Com 'semana livre', Flamengo utilizará força máxima em estreia contra o Palmeiras

Mesmo o volante Gerson, em negociação para trocar o time rubro-negro pelo futebol europeu, está entre os 24 relacionados

Redação, Estadão Conteúdo

29 de maio de 2021 | 14h56

O Flamengo vinha utilizando escalação alternativa nos últimos fins de semana por causa de jogos importantes na Libertadores. Com inédita semana livre de jogos pela frente, o técnico Rogério Ceni relacionou força máxima para a estreia no Brasileirão, nesse domingo, diante do Palmeiras.

Mesmo o volante Gerson, em negociação para trocar o time rubro-negro pelo futebol europeu, está entre os 24 relacionados pelo treinador para a abertura na competição rumo ao inédito tricampeonato seguido.

Depois de não agradar diante do Vélez Sarsfield com Pedro e Gabriel atuando juntos por causa da suspensão de Bruno Henrique, Rogério Ceni deve voltar à escalação titular utilizada nos últimos anos, com o quarteto Everton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabriel desde o começo.

Willian Arão é outro à disposição após não enfrentar os argentinos. Deve ser mantido na defesa ao lado de Rodrigo Caio. Gustavo Henrique voltaria à reserva e Diego Ribas seria mantido como primeiro volante.

O Flamengo quer largar o Brasileirão com vitória diante do forte Palmeiras para acumular gordura quando a Libertadores apertar e Ceni se ver obrigado a poupar titulares. Também há o possível problema de perder peças na Copa América.

Utilizar a força máxima é uma alternativa para o Flamengo tentar acabar com o tabu de o Palmeiras não perder em estreias no Brasileirão desde 2008. A torcida vai festejar com um mosaico as conquistas no campo e também na NBB.

Confira um provável Flamengo para a estreia: Diego Alves; Isla, Willian Arão, Rodrigo Caio e Filipe Luís; Diego Ribas, Gerson, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Bruno Henrique e Gabriel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.