Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Com semana livre, Palmeiras deve ter força máxima contra o Bragantino

Felipão deve abrir mão do rodízio de jogadores neste início de temporada

Redação, Estadão Conteúdo

11 de fevereiro de 2019 | 07h34

O Palmeiras poderá abrir mão do rodízio de jogadores neste início de temporada e ter força máxima para enfrentar o Bragantino, nesta segunda-feira, às 20h, no Pacaembu, pela 6ª rodada do Campeonato Paulista.

O atual vice-campeão estadual tentará recuperar a liderança do Grupo B, perdida para o Novorizontino, que chegou aos 11 pontos ao vencer o Corinthians no domingo. O Palmeiras soma 10 e agora aparece no segundo lugar.

Luiz Felipe Scolari, como de costume, não adiantou os jogadores que iniciam o jogo. Em busca de concentração e para tentar surpreender o adversário, o treinador restringiu o acesso da imprensa no último treino antes do confronto.

Com a semana livre para treinamento, Felipão deu maior ênfase no aspecto tático e, com os jogadores dispondo de um período maior descanso, deve evitar o rodízio.

O único desfalque é o atacante Deyverson, expulso contra o Corinthians depois de cuspir em Richard. Denunciado pela Procuradoria do Tribunal de Justiça de São Paulo, o atacante pode pegar até doze jogos de suspensão.

Ricardo Goulart, que nessa última semana começou a fazer atividades com o elenco, participou do trabalho técnico no gramado. O atacante está em fase final de recuperação de cirurgia no joelho direito, realizada em outubro.

Bragantino aposta na organização

Acostumado a um padrão de jogo que tem a organização defensiva como ponto forte, o Bragantino espera colocar o estilo em prática mais uma vez. Com apenas uma derrota, o time do técnico Marcelo Veiga está bem na briga pela classificação no Grupo B, com oito pontos.

Apesar da filosofia que preza pela solidez defensiva, a equipe de Bragança Paulista sabe por experiência própria que é preciso cuidado redobrado diante de um dos grandes times do Brasil. Quando enfrentou o Santos, por exemplou, perdeu por 4 a 1. Nos outros jogos, no entanto, a defesa funcionou, já que a equipe sofreu seis gols em cinco jogos, mas quatro deles foram marcados pelos santistas.

"É um resultado que dificilmente acontecerá de novo. Lógico que tem a qualidade do adversário, mas dificilmente acontecerá outra vez. Contra o Palmeiras, temos que estar bem concentrados para fazer um grande jogo", indicou Veiga sobre o descuido na goleada sofrida.

Em relação ao time, a ideia é manter a base que venceu e se reabilitou diante da Ponte Preta, por 2 a 1. O meia Vitinho e os volante Adenílson e Jonathan Costa seguem no departamento médico. O lateral-direito Itaqui, que chegou a ser dúvida durante a semana, foi liberado e vai para o jogo. No meio campo existe uma dúvida técnica entre Esquerdinha e Adriano Paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.