Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Com semblante fechado, Neymar treina com a seleção brasileira

Atacante é um dos últimos a entrar em campo e não compartilha da descontração de companheiros

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

02 de junho de 2019 | 16h46

No primeiro treino após vir a público a acusação de estupro contra Neymar, o jogador trabalhou de semblante sério neste domingo. Mesmo que vários companheiros de seleção procurassem brincar com o atacante em um dos campos da Granja Comary, em Teresópolis (RJ), ele praticamente não sorriu. Normalmente, o atacante é um dos mais alegres nos treinamentos.

Ele foi um dos últimos a entrar no campo. O atacante apareceu ao lado de Gabriel Jesus, Thiago Silva, Arthur e Fernandinho. No trajeto de cerca de 50 metros do vestiário até o gramado, os quatro que o acompanhavam procuravam demonstrar descontração, mas Neymar se manteve sério.

Até mesmo na tradicional roda de bobinho que antecede todos os treinamentos Neymar ficou calado. O jogador costuma ser o mais brincalhão nesses momentos, mas na atividade deste domingo ele levou oito minutos para esboçar um sorriso.

Quem mais procurou animar o atacante foram os volantes Casemiro e Arthur, inclusive quando a atividade passou a ser orientada pela comissão técnica. Aos poucos, Neymar foi se soltando, mas nem de longe pareceu o mesmo jogador de outros treinos.

A imprensa teve acesso apenas 25 minutos do treino deste domingo, na preparação da equipe do técnico Tite para a disputa da Copa América, em solo nacional. A competição terá início no dia 14.

Neste sábado veio a público um Boletim de Ocorrência registrado por uma mulher em São Paulo. Ela acusa Neymar de estupro sofrido em Paris, para onde viajou a convite do próprio jogador do Paris Saint-Germain, no mês passado. No B.O., ela afirmou que Neymar estava aparentemente embriagado, e após conversarem e trocarem carícias no hotel onde ela estava hospedada, o jogador se tornou agressivo e "mediante violência, praticou relação sexual contra a vontade da vítima".

Horas depois, o pai do jogador defendeu o filho, negou o estupro e disse que a relação foi consensual. Também disse que o jogador caiu em uma "armadilha" e foi vítima de extorsão. Na noite deste sábado, na sequência, o próprio atacante publicou vídeo nas redes sociais negando o estupro e revelando o teor das conversas que teria tido com a mulher que o acusa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.