Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Com Sheik no banco, Corinthians dá início a reformulação no elenco

Após a eliminação na Libertadores, equipe de Tite enfrenta a Chapecoense, às 21 horas, em Araraquara, pelo Brasileirão

Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2015 | 07h00

A provável escalação do Corinthians para o jogo contra a Chapecoense, hoje, 21h, em Araraquara, é um sinal da reformulação que virá após a eliminação na Copa Libertadores. O atacante Emerson Sheik, 36 anos, treinou entre reservas, e Malcom, de 18, entre os titulares.

Sheik está com pouco prestígio no clube. Ele não jogou as duas importantes partidas contra o Guaraní por estar suspenso. Além disso, seu contrato termina dia 31 de julho e seu alto salário não se encaixa mais no orçamento do clube.


Participaram da entrevista coletiva desta sexta-feira no CT o técnico Tite e o gerente de futebol Edu Gaspar. Questionados sobre o futuro de Sheik, cada um respondeu ao seu modo. Tite afirmou que o colocou no segundo tempo contra o Cruzeiro, na estreia no Brasileiro, o que mostra que ele faz parte dos planos da comissão técnica. 

Já Edu Gaspar disse que a diretoria ainda fará uma reunião com o treinador e o departamento financeiro para traçar o planejamento para o restante da temporada.

“Não contávamos com a eliminação”, afirmou Edu Gaspar. “Temos um jogo de retomada amanhã (neste sábado). Por isso, não houve tempo hábil para discutir os casos de Emerson, Guerrero e de outros jogadores.”

A retomada não será fácil. Nesta sexta-feira, o time treinou ao som de um pequeno, mas barulhento protesto de uma torcida organizada. O grupo levou faixas e notas de R$ 100 falsas.

“Quer dinheiro, joga bola primeiro”, gritavam os torcedores, numa alusão a uma das reclamações dos atletas: o atraso nos direitos de imagem. Por isso, esses torcedores chamavam os atletas de mercenários.

Cássio, Elias e até Vagner Love, que nem sequer jogou as partidas contra o Guaraní, foram xingados. O protesto foi pacífico, mas duas viaturas da polícia estavam de prontidão.

“Tenho um respeito por todas as manifestações que mostrem amor ao clube e não sejam violentas. O sentimento do torcedor é o mesmo que o nosso. Queríamos muito a classificação. Agora é hora de recomeçar”, disse Tite.

O treinador tem uma série de problemas para resolver. Depois de um início avassalador na temporada, o Corinthians entrou em declínio técnico. O time que se vangloriava por marcar muitos gols passou a ser uma equipe inofensiva.

SECA DE GOLS

O time titular de Tite passou em branco nos últimos quatro jogos da Libertadores. “Não tem explicação”, disse o técnico. “Criamos muitas chances. Passei da idade de criar subterfúgios para derrotas. O segundo jogo (contra o Guaraní) foi reflexo do primeiro. Apressamos demais as jogadas e perdemos a precisão.”

Contra a Chapecoense, o técnico aposta num trio de atacantes formado por Malcom (direita), Guerrero e Mendoza (esquerda). A ideia é usar a velocidade dos pontas para que o peruano possa voltar a marcar. 

Essas são as principais mudanças na equipe. Renato Augusto, machucado, está fora – assim como Felipe. Edu Dracena entra na zaga. Emerson Sheik e Vagner Love ficarão no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA

Corinthians: Cássio; Edílson, Edu Dracena, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias e Jadson; Malcom, Guerrero e Mendoza. Técnico: Tite.

Chapecoense: Danilo; Apodi, Rafael Lima, Vilson e Dener; Elicarlos, Gil, Abuda e Camilo; Ananias e Roger. Técnico: Vinícius Eutrópio.

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (PE).

Local: Fonte Luminosa, em Araraquara.

Horário: 21 horas.

Transmissão: Pay-per-view 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.