Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Com somente Kannemann de titular, Grêmio recebe o Sport na Arena

Zagueiro é o único não poupado por Renato Gaúcho, de olho na semifinal da Libertadores

Estadão Conteúdo

27 Outubro 2018 | 08h06

Bem perto da final da Copa Libertadores, o Grêmio vai ter um time considerado reserva diante do Sport, neste sábado, na Arena, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. De consolo, resta apenas o discurso do técnico Renato Gaúcho de que "todos são titulares no meu grupo". Apenas um titular está confirmado: o zagueiro Kannemann.

Mesmo assim, porque ele está suspenso com cartões e sem condições de enfrentar o River Plate, no jogo de volta na próxima terça-feira, em Porto Alegre. Como venceu por 1 a 0 na Argentina, o time gaúcho agora joga pelo empate para ir à decisão da Libertadores. Com 52 pontos, em quinto lugar, o Grêmio não sonha mais com o título Brasileiro e guarda energias para ser campeão continental de novo.

Havia a expectativa de que o veterano lateral Léo Moura começasse jogando para adquirir ritmo. Aos 40 anos completados na última terça-feira, Moura deve ser preservado para o jogo contra os argentinos. De qualquer forma, Leonardo Gomes também não começa jogando contra os pernambucanos e Madson, terceira opção, deve ser o titular.

"Sei que é difícil dividir o foco em duas competições, mas nós estamos trabalhando jogo a jogo. E temos que entrar em campo para não decepcionar a nossa torcida", afirma Renato Gaúcho, que pretende vencer para ficar ainda mais perto da torcida que esgotou todos os ingressos para a semifinal.

Na última rodada, em casa, o Grêmio empatou com o Bahia por 2 a 2. "O torcedor quer sempre vencer e nós temos a obrigação de sempre jogar para vencer", diz o treinador.

Mas o clima é amistoso para este duelo contra o Sport. Todos no clube só falam na Libertadores, sem contar o entusiasmo e euforia da torcida. Havia até preocupação em relação do estado do gramado, que apresentou falhas após o show da cantora Shakira, mas vários trechos foram replantados.

Não há mais ingressos para o duelo contra o River Plate, mantendo a expectativa de quebra de público. O maior foi registrado na decisão da Copa do Brasil de 2016 diante do Atlético-MG, com 55.337 torcedores. Para bater este número, a diretoria conta com a presença dos sócios torcedores e dos camarotes.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.