Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Com covid-19, Renato Gaúcho desfalca Grêmio na Libertadores

Após apresentar dores musculares e inflamação na garganta, técnico testou positivo para o novo coronavírus

Redação, Estadão Conteúdo

05 de abril de 2021 | 11h03

O Grêmio embarcou para o Equador na manhã desta segunda-feira sem Renato Gaúcho. O treinador foi vetado da viagem de última hora por apresentar suspeita de covid-19. Na sequência, o clube gaúcho informou que o treinador testou positivo para o novo coronavírus. O time brasileiro vai enfrentar o Independiente del Valle nesta quarta-feira, em Quito, pela terceira fase preliminar da Copa Libertadores.

De acordo com o médico do Grêmio, Márcio Dornelles, o treinador apresentou dores musculares e garganta inflamada nos últimos dias. Segundo o médico Gabriel Severo, que está monitorando o técnico, Renato teve melhora em seu quadro clínico nas últimas horas. "O treinador  já foi medicado e no momento encontra-se assintomático. Renato cumprirá o protocolo de isolamento pelos próximos dias", informou.

Seguindo as determinações médicas, todo integrante do departamento de futebol do Grêmio que apresenta sintoma de covid-19, por precaução e protocolo, é afastado do grupo e atividades. Renato Gaúcho será substituído pelo auxiliar Alexandre Mendes. Ele havia comandado a equipe enquanto os titulares e o próprio Renato estavam de recesso nos primeiros jogos do Estadual.

Considerado grupo de risco para a covid-19 - ele passou por duas cirurgias cardíacas -, Renato chegou a ficar no Rio de Janeiro no ano passado, enquanto a equipe realizava treinos físicos com os auxiliares em Porto Alegre. Nesse período, ele foi flagrado algumas vezes na praia, o que era proibido à época. Em foto que circulou nas redes sociais, o treinador gremista aparecia na praia, jogando bola, sem usar máscara. Renato também é um dos defensores de que o futebol não deve ser paralisado, mesmo com o aumento de casos e mortes por covid-19 no País.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.