Com time em má fase, dirigentes mostram apoio nos treinamentos da Ponte Preta

Presidente descartou bicho em caso de classificação à Libertadores

Agência Estado, Estadão Conteúdo

11 Outubro 2016 | 18h53

As novidades no treinamento desta terça-feira na Ponte Preta não estavam dentro de campo, mas fora dele. Foram as presenças do presidente Vanderlei Pereira, acompanhado do presidente de honra Sérgio Carnielli. Os dirigentes falaram com os membros da comissão técnica e afastaram a possibilidade, pelo menos neste momento, de uma premiação especial para o time alcançar uma vaga na Copa Libertadores de 2017.

Esta posição foi descartada por Vanderlei Pereira, que controla a chave do cofre do clube com mão de ferro. "O bicho está sendo pago em dia, a premiação está sendo paga em dia, o salário está sendo pago até adiantado. Estamos fazendo uma administração maravilhosa. Está tudo em ordem no clube. Não é o aumento de bicho que vai ganhar jogo. Eu acho que o que ganha jogo é jogar bem. Dinheiro nem sempre provoca alguma coisa a mais", comentou o presidente, que dificilmente aparece em dia de treinos a não ser quando acontece algo errado.

Na 10.ª posição com 39 pontos, a Ponte Preta vem de três derrotas consecutivas na competição - para Atlético Paranaense (3 a 0), Atlético Mineiro (2 a 1) e Cruzeiro (2 a 0). Antes empatou fora com a Chapecoense por 2 a 2. Agora vai ter a chance em casa, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), de disputar dois jogos importantes contra Vitória, nesta quinta-feira, às 19h30, e depois diante do Santa Cruz, no domingo, às 16 horas. São seis pontos cruciais para que o time possa antecipar o seu objetivo inicial: atingir os 45 pontos e evitar, matematicamente, a ameaça de rebaixamento.

O técnico Eduardo Baptista sinalizou mudanças pontuais para o jogo diante dos baianos. O ataque deve ter Rhayner pelo lado direito e Clayson pela esquerda. Com a volta do volante João Vitor, que cumpriu suspensão em Belo Horizonte, o time ganha força na marcação. Ao seu lado vai atuar Wendel e a dúvida fica para o meia que completaria o tripé. É possível que seja escalado Felipe Azevedo. Outras opções são Maycon e Élton. Está descartada a presença de Thiago Galhardo, que deve ser poupado para cuidar de um incômodo no tornozelo.

O último treino está programado para esta quarta-feira no Moisés Lucarelli. No estádio também acontece a troca de ingressos por garrafas pets. Da cota de cinco mil bilhetes, quatro mil já foram trocadas. A expectativa da diretoria é para um público em torno de oito a 10 mil torcedores contra o Vitória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.