Com time em má fase, Roth pede que vascaínos não compareçam ao Maracanã

No momento em que o Vasco passa por sérias dificuldades no Campeonato Brasileiro, o técnico Celso Roth defendeu que a torcida do Vasco não compareça ao Maracanã para apoiar o time no clássico com o Fluminense no domingo, pelo Brasileiro. Desde o início do ano as diretorias de Vasco e Fluminense reivindicam que o setor sul do estádio seja ocupado por suas torcidas e até o momento não entraram em consenso.

Estadão Conteúdo

17 de julho de 2015 | 20h05

Como neste primeiro turno do Brasileiro o mandante é o Fluminense, o presidente vascaíno Eurico Miranda pediu que seus torcedores boicotem a partida e o técnico fez coro pela decisão do chefe. "É jogo de torcida única. Em outros clássicos do País também é assim. Está dentro da normalidade. Estamos em um sistema presidencialista. Se o presidente falou isso, sem problemas. Vamos encarar como um jogo fora de casa."

A CBF, porém, liberou a participação das duas torcidas. Até esta sexta, mais de 20 mil ingressos foram vendidos, para tricolores e vascaínos. Com apenas nove pontos em 13 jogos, o Vasco é o penúltimo colocado da competição. E joga no domingo com o objetivo de interromper a série de três derrotas seguidas.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolVascoRoth

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.