Com time misto, Brasil encara a Bolívia

Primeiro, observar. Se possível, ganhar. Essa é a lógica da seleção brasileira para o jogo deste domingo contra a Bolívia, às 17 horas de Brasília (com TV Globo), na altitude de 3.600 metros de La Paz. O técnico Carlos Alberto Parreira abriu mão de sete titulares para ver em ação atletas que disputam as poucas vagas restantes para o Mundial de 2006. Com um time misto, sem entrosamento, ele sabe dos riscos de o Brasil voltar para casa com resultado ruim, apesar de a Bolívia estar em último lugar nas Eliminatórias da Copa da Alemanha, sem condições de brigar pela classificação. Essa inversão de prioridades não incomoda a comissão técnica.Parreira quer fazer testes que podem ser definitivos na escolha dos 23 convocados para o Mundial. Manteve, no entanto, durante a semana, o discurso de que o Brasil precisa vencer a Bolívia e a Venezuela, na quarta-feira, para tentar superar a Argentina e acabar as Eliminatórias na liderança. Estabeleceu essa meta para motivar os jogadores. Mas eles parecem não ter assimilado muito bem o que disse o treinador. Para vários atletas de ponta, como Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Roberto Carlos, o objetivo da seleção era garantir com antecedência a presença no Mundial. Nenhum dos três viajou para La Paz. Mas como são ?formadores de opinião na seleção?, com influência direta sobre os mais jovens, pode-se afirmar que a partida só terá importância real para quem ainda não está com o nome na lista definitiva de Parreira. ?Será uma oportunidade especial para observar alguns jogadores. É uma pena que tenhamos de levar 23 para a Copa. Não se trata de experiência porque todos aqui já mostraram capacidade para integrar a seleção?, disse o técnico da equipe verde-amarela. Ele relacionou 26 para as partidas com Bolívia e Venezuela. Na verdade, o técnico só tem quatro dúvidas. No gol, a tendência é que Gomes fique como quarta opção e Marcos reassuma sua condição de convocável. Na lateral-esquerda, Gilberto e Gustavo Nery devem atuar um tempo cada. Se alguém se sobressair, pode deixar o concorrente para trás. Do meio para a frente, Alex, Ricardinho, Júlio Baptista e Ricardo Oliveira lutam por duas vagas. Depois dos últimos confrontos pelas eliminatórias, o Brasil vai disputar dois amistosos em novembro ? um contra os Emirados Árabes, o outro, ainda sem adversário definido ? e mais um jogo em março de 2006, única data reservada pela Fifa para compromissos das seleções nacionais. Parreira tem dito que ainda pode esperar por essas partidas para completar a lista. Mas, na verdade, ele quer ficar livre de dúvidas já a partir do confronto com a Venezuela. A seleção seguiu na noite de sábado de Teresópolis para Santa Cruz de La Sierra, em vôo fretado. Neste domingo, após o almoço, vai para La Paz. A permanência na capital boliviana será curta. Terminada a partida, o grupo viaja até Belém, local do jogo contra os venezuelanos.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2005 | 10h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.