Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Com torneio cancelado, Palmeiras procura outra agenda para a Copa América

Clube ainda não tem programação após prisão de empresário responsável por organizar competição em Fortaleza

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2019 | 04h30

O Palmeiras está em busca de um plano B para montar a programação do time durante a pausa do calendário para a Copa América. O clube estava com a presença confirmada em um torneio amistoso a ser realizado em Fortaleza, mas a competição acabou cancelada após a Polícia Civil do Distrito Federal iniciar uma operação e prender o empresário responsável por montar a competição.

O ex-atacante Roni, ex-atacante do Fluminense e seleção brasileira, é dono da empresa Roni7 Eventos, que cuidava da montagem do torneio com a presença de Palmeiras, Fortaleza, Vasco e Ceará. A mesma companhia organizou no último sábado o encontro pelo Campeonato Brasileiro entre Botafogo e Palmeiras em Brasília, onde Roni acabou preso.

Roni e o presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal, Daniel Vasconcelos, são suspeitos de integrarem um grupo especializado em fraudar a bilheteria de jogos. Segundo a investigação, a dupla informava um valor menor de arrecadação para pagar um valor menor de impostos e também de aluguel dos estádios. O esquema atuou em cerca de 20 partidas entre clubes nacionais.

O imbróglio causou o cancelamento do torneio amistoso e deixou por enquanto o Palmeiras sem agenda para a Copa América. O clube pretendia participar da competição para dar ritmo aos jogadores, a exemplo do feito no ano passado. Durante a Copa do Mundo da Rússia, a equipe realizou uma excursão para Panamá e Costa Rica.

A tendência é o Palmeiras procurar uma outra viagem enquanto a competição internacional de seleções é realizada no Brasil. Inclusive o próprio CT do clube, a Academia de Futebol, estará destinado para a utilização das seleções que estiverem para São Paulo realizar suas partidas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.