Divulgação
Divulgação

Com tornozelo inchado, Valdivia pode desfalcar o Palmeiras na semifinal

Chileno foi caçado pelo Bragantino e corre contra o tempo para ter condições físicas

Daniel Batista , O Estado de S.Paulo

29 de março de 2014 | 04h55

SÃO PAULO - Contra o Bragantino, Valdivia deixou o gramado do estádio do Pacaembu como um dos melhores em campo. Ele correu, marcou, provocou, deu dribles desconcertantes, fez faltas, mas também sofreu muitas. Para alguns torcedores do Palmeiras mais saudosistas, lembrou aquele Mago de 2008. Mas tanta audácia pode custar caro. O chileno ainda está com o tornozelo direito inchado e corre risco de não enfrentar o Ituano, domingo.

Na quinta-feira, foram pelo menos três faltas duras em cima do meia. A que mais causou estrago foi no primeiro tempo, quando levou uma pancada e chegou a mancar por alguns minutos, com dores no tornozelo. Depois da partida, ele deixou o estádio com gelo no local e o pé bastante inchado. O seu assessor de imprensa pessoal chegou a divulgar uma foto onde era possível ver uma bola no pé do chileno. Nesta sexta, diminuiu o inchaço, mas Valdivia ainda estava com o pé dolorido e nem conseguiu fazer o trabalho regenerativo, comum no dia seguinte a uma partida.

O médico do Palmeiras, Vinícius Martins, demonstrou otimismo em relação a recuperação do jogador e acredita que ele consiga estar apto para no domingo. Caso fique fora, será a primeira lesão do chileno na temporada. Ele fez 11 das 17 partidas do Palmeiras, sendo as últimas nove atuando o tempo todo. Os seis jogos de ausência foram por causa da seleção chilena ou quando estava poupado.

A definição se o chileno vai ou não para o jogo acontece após o treino de sábado, na Academia de Futebol. Existe a possibilidade de Kleina deixá-lo no banco de reservas e colocá-lo em campo apenas se houver a necessidade. Para o lugar do chileno, o treinador pode colocar Mendieta ou mais um atacante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.