Bruno Cantini/Divulgação
Bruno Cantini/Divulgação

Com três de Pratto, Atlético-MG supera o São Paulo no Mineirão

Mineiros continuam na liderança do Brasileirão após boa vitória

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2015 | 23h56

Se o São Paulo quiser lembrar de algum feito conseguido nesta quarta-afiera, contra o Atlético-MG, tem que se orgulhar por ter evitado uma goleada. Após levar três gols no primeiro tempo no Mineirão, reagiu para fazer uma etapa final mais decente e perder pelo digno placar de 3 a 1, pelo  Campeonato Brasileiro.

O jogo era encarado pelo São Paulo como a chance de se aproximar dos líderes e provar que tem condições a sonhar com algum título. O choque de realidade, porém, foi grande e mostrou o quanto a equipe ainda está degraus abaixo do Atlético-MG, principalmente quando o assunto é eficiência.

Fã do rodízio de jogadores, o técnico Juan Carlos Osorio surpreende na escalação a cada rodada e não tem acertado. Se no último domingo apostou em Lucão como volante, nesta quarta-feira escolheu para a função Michel Bastos. O líder em assistências do time ficou recuado demais e pouco produziu.

 

A surra do primeiro tempo puniu quem perdeu inúmeros gols e não aprendeu com as falhas. Enquanto o ataque dava um show de desperdício, a defesa com três zagueiros não se entendia no posicionamento e muito menos em como conter Pratto. O argentino precisou fazer três gols para o São Paulo se dar conta do quanto estava errado.

O placar de 3 a 0 no intervalo se resumiu em competência. O São Paulo impressionou ao ameaçar o líder com posse de bola, marcação adiantada e ótimas chances. Pato obrigou Victor a fazer milagre, perdeu outras duas oportunidades claras e Ganso ainda acertou um chute na trave. 

Só que em poucos ataques, o Atlético-MG resolveu o jogo como queria. Sem cobertura nas alas, muito ofensivo e com a zaga perdida, o São Paulo virou presa fácil para Pratto enfileirar gols e quase sempre conseguir definir as jogadas desmarcado. 

O vexame anunciado lembrou a goleada sofrida diante do Pameiras, no último mês, e fez Osorio acordar. O colombiano desfez no começo do segundo tempo o esquema com três zagueiros. Hudson saiu, Rodrigo Caio passou a ser volante e a marcação ficou um pouco mais organizada com a linha de quatro na defesa. 

O time só continuou exposto porque manteve a postura ofensiva e a decisão deu certo. O gol de cabeça de Pato, aos 13 minutos, deu um alento ao time e recolocou o Atlético-MG em alerta para evitar a reação. As duas equipes passaram a ter mais chances e obrigaram os goleiros a trabalhar. Ceni teve destaque e fez duas boas defesas que salvaram o time de levar o quarto gol.

A reação parou no primeiro gol e, ainda atordoado, o São Paulo só precisou esperar o fim do jogo. Pelo menos a equipe terá dez dias até voltar a campo e demonstrar contra o Corinthians que pode ameaçar os líderes do Brasileiro.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 3 x 1 SÃO PAULO

ATLÉTICO-MG - Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Rafael Carioca, Leandro Donizete, Cárdenas (Carlos) e Giovanni Augusto; Thiago Ribeiro (Danilo Pires) e Lucas Pratto. Técnico: Levir Culpi.

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Rafael Toloi, Rodrigo Caio e Lucão; Thiago Mendes, Hudson (Centurión), Paulo Henrique Ganso, Michel Bastos e Reinaldo (Auro); Alexandre Pato e Luis Fabiano (Boschilia). Técnico: Juan Carlos Osorio.

GOLS - Lucas Pratto, aos 19, aos 25 e aos 43 minutos do primeiro tempo; Alexandre Pato, aos 13 minutos do segundo tempo.

CARTÃO AMARELO - Thiago Mendes (São Paulo).

ÁRBITRO - Dewson Fernando Freitas da Silva (Fifa/PA).

RENDA - R$ 1.798.010,00.

PÚBLICO - 47.606 pagantes.

LOCAL - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.