Luca Bruno / AP
Luca Bruno / AP

Com três gols no 2º tempo, França vira sobre a Bélgica e decide a Liga das Nações

Carrasco e Lukaku marcam no primeiro tempo, mas Benzema, Mbappé e Theo Hernández determinam o triunfo por 3 a 2

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

07 de outubro de 2021 | 18h26

A França mostrou nesta quinta-feira por que é a atual campeã mundial. Os vencedores da Copa do Mundo de 2018 buscaram uma virada histórica sobre a Bélgica, por 3 a 2, em Turim, para alcançar a vaga na final da Liga das Nações da Uefa. Os belgas venciam por 2 a 0 até o início do segundo tempo da partida, disputada em alto nível técnico.

Theo Hernández anotou o terceiro e decisivo gol da França aos 44 minutos do segundo tempo. Antes, Benzema e Mbappé, de pênalti, marcaram os outros gols franceses. Lukaku deixou sua marca no primeiro tempo e chegou a anotar o terceiro gol dos belgas, aos 41 da etapa final. Mas o lance foi anulado pelo VAR.

Com o resultado, a Bélgica volta a decepcionar em fase decisiva de uma competição importante, como fizera na Copa da Rússia, há três anos. Na ocasião, também caiu na semifinal para a França, que se tornou sua maior algoz nos últimos anos. Os belgas seguem em busca de um grande título em sua história.

Na final, a equipe francesa vai enfrentar a Espanha, algoz da Itália, campeã da Eurocopa, no domingo. O jogo está marcado para o estádio San Siro, em Milão.

A partida em Turim reuniu duas das melhores seleções da atualidade. De um lado estava os atuais campeões mundiais e, do outro, um candidato antecipado ao título da Copa do Mundo de 2022 e algoz do Brasil no Mundial de 2018. Os belgas vinham em melhor momento. Após serem eliminados pela Itália nas quartas de final da Eurocopa, venceram os três jogos que disputaram.

Mas o duelo foi equilibrado nos primeiros minutos na cidade italiana, apesar da boa movimentação. A partir dos 20, a partida caiu de ritmo, com as duas equipes se estudando. O desequilíbrio só veio aos 36, quando De Bruyne serviu Carrasco para abrir o placar. Quatro minutos depois, o mesmo meia foi "garçom" de Lukaku: 2 a 0.

Surpreendida pelos belgas, a França cresceu no início do segundo tempo. Impôs um novo ritmo de jogo, com marcação alta, que dificultava a saída de bola do rival. A aposta numa atuação mais acelerada, e cansativa, acabou dando resultado. Aos 16, Mbappé fez boa jogada pela esquerda e acionou Benzema, que conteve três marcadores, girou e bateu para diminuir a vantagem dos belgas no placar.

A pressão era forte e o empate dos franceses veio seis minutos depois, quando Griezmann sofreu falta na área. O árbitro consultou o VAR para confirmar a penalidade. E Mbappé encheu o pé na cobrança para igualar o marcador.

O empate elevou ainda mais o nível técnico do jogo. Os erros passaram a custar caro e a velocidade se impôs. Aos 27, De Bruyne acertou belo chute e exigiu bela defesa do goleiro Lloris. O jogo era lá e cá, com boas trocas de passe, belos lances e chances para os dois lados.

A Bélgica parecia definir o jogo aos 41, quando Carrasco cruzou da esquerda e Lukaku completou para as redes. Mas a comemoração não durou 30 segundos. Foi o tempo de o VAR anular a jogada por impedimento do atacante. A França respondeu com cobrança de falta de Pogba no travessão, aos 44. Na sequência, Theo Hernández acertou forte chute da entrada da área, estufou as redes e decretou a incrível virada francesa em Turim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.