César Greco / Ag. Palmeiras
César Greco / Ag. Palmeiras

Com um a menos, Palmeiras perde para o Goiás, no primeiro revés com Abel Ferreira

Mayke é expulso ainda na etapa inicial e golaço aos 47 do segundo tempo define o placar de 1 a 0, em Goiânia

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2020 | 23h17

Com 18 desfalques e um jogador a menos desde os 38 minutos do primeiro tempo após Mayke ser expulso com ajuda do árbitro de vídeo, o Palmeiras não conseguiu segurar o Goiás e foi superado por 1 a 0, neste sábado, no estádio da Serrinha, em Goiânia, pelo Campeonato Brasileiro.

Um golaço aos 47 minutos da etapa final decretou o primeiro revés do técnico Abel Ferreira no comando do Palmeiras. Com o resultado, o time alviverde estacionou nos 34 pontos e está na quinta colocação. O Goiás encerrou um jejum de 11 jogos sem vencer, chegou aos 15 pontos, mas continua na lanterna da competição.

O desfigurado Palmeiras demorou poucos segundos para demonstrar que os desfalques não iriam pelo menos tirar o ímpeto da equipe de Abel Ferreira. Luiz Adriano fez o goleiro Tadeu trabalhar duas vezes antes de o cronômetro alcançar o primeiro minuto de jogo.

O técnico português optou por um esquema com três zagueiros que utilizou em outras equipes, mas ainda não havia lançado mão no Palmeiras. A formação permitia ao time adiantar suas peças e pressionar o Goiás na saída de bola. Os goianos atuavam sem muita ambição ofensiva, trocando passes laterais até buscar Fernandão lá na frente. O atacante era presa fácil para o trio defensivo palmeirense.

O drama em relação aos desfalques se amplificou para o Palmeiras aos 24 minutos. Luiz Adriano sentiu lesão muscular na coxa esquerda e deixou o campo. Fabrício, 19 anos, chamado por Abel da base pela ausência de 18 jogadores, entrou para formar o ataque com Marcelinho, de 17.

O que já era ruim ficou ainda pior antes do fim do primeiro tempo. Mayke errou o bote e acertou o tornozelo de Taylon. Após ser chamado para analisar o lance no vídeo, o árbitro Bruno Arleu de Araújo trocou o amarelo pelo vermelho e expulsou o lateral-direito que estava atuando improvisado na esquerda. "Não teve intenção", reclamou Abel, que também foi advertido com o cartão.

O Goiás chegou duas vezes com perigo logo na sequência da expulsão e forçou uma resposta imediata do treinador português. Sem abrir mão do esquema com três zagueiros, Abel fechou o Palmeiras, com o lateral Esteves e o volante Gabriel Menino nos lugares do meia Lucas Lima e do atacante Marcelinho, respectivamente, antes de ir para o intervalo com o placar de 0 a 0.  

O Palmeiras voltou para o segundo tempo com intenção de não perder. Abel estacionou o ônibus, como costuma fazer o compatriota Jose Mourinho, diante da área. A equipe era compacta, dando pouco espaço para o Goiás, e aguardava um erro do adversário.

Com posse de bola e pouca criatividade para furar o paredão defensivo palmeirense, o Goiás colocou dois centroavantes para tentar pelo alto. Rafael Moura entrou e se posicionou com Fernandão na área. A estratégia não deu certo. Mas, aos 47 minutos, Miguel Figueira marcou um golaço para definir o jogo. A bola que saiu do pé esquerdo de fora da área foi morrer no ângulo de Weverton.

FICHA TÉCNICA:

GOIÁS 1 X 0 PALMEIRAS

GOIÁS: Tadeu; Taylon (Rafael Moura), Fabio Sanches, David Duarte e Jefferson (Rodrigues); Breno, Ariel Cabral (Miguel Figueira) e Gustavo Blanco (Alyson); Douglas Baggio (Shaylon), Keko e Fernandão. Técnico: Glauber Ramos (interino).

PALMEIRAS: Weverton; Emerson Santos, Gustavo Gómez e Renan; Marcos Rocha, Patrick de Paula, Ramires, Lucas Lima (Esteves) e Mayke; Marcelinho (Gabriel Menino) e Luiz Adriano (Fabrício, depois Luan). Técnico: Abel Ferreira.

GOL: Miguel Figueira, aos 47 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO:  Bruno Arleu de Araújo (RJ).

CARTÕES AMARELOS: Renan, Abel Ferreira, Gabriel Menino, Miguel Figueira.

CARTÃO VERMELHO: Mayke.

LOCAL: Estádio da Serrinha, em Goiânia (GO).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.