Nicolas Asfouri/AFP
Nicolas Asfouri/AFP

Com um ponto, técnico da Islândia admite: 'Estranho que ainda estejamos na briga'

Islandeses precisam vencer a Croácia após derrota para Nigéria, por 2 a 0

Estadão Conteúdo

22 Junho 2018 | 15h22

Estreante em Copas do Mundo, a Islândia surpreendeu na estreia ao arrancar um empate com a Argentina, mas perdeu na segunda rodada para a Nigéria, por 2 a 0, nesta sexta-feira. Com um ponto a uma partida para o fim da primeira fase, porém, a equipe segue na briga pela classificação às oitavas de final, o que surpreendeu até o técnico Heimir Hallgrimsson.

+ Saiba o que precisa acontecer para a Argentina se classificar às oitavas

+ Ardiles culpa AFA e Sampaoli por vexame argentino e chama técnico de 'ignorante'

"É um fato estranho que a gente ainda esteja na briga. Nós não achávamos que a gente passaria a Copa do Mundo sem uma derrota, e derrotas são sempre difíceis de engolir. Mas nós precisamos apenas derrotar a Croácia, o que provavelmente é mais fácil de falar do que de fazer", declarou após a partida.

Na realidade, a Islândia precisa derrotar a Croácia na terça-feira que vem, em Rostov, e torcer para que a Nigéria não bata a Argentina. Em caso de empate no outro confronto, teria que superar o saldo de gols dos nigerianos, enquanto em caso de vitória da Argentina, teria que superar o saldo dos sul-americanos.

Curiosamente, islandeses e croatas estavam no mesmo grupo das Eliminatórias Europeias para a Copa. Em dois confrontos, uma vitória para cada lado, mas foi a Islândia que terminou na ponta da chave e garantiu vaga direta ao Mundial. Agora, a sensação é de reencontro com um velho conhecido.

 

"Nós jogamos contra a Croácia quatro vezes nos últimos quatro anos e constantemente dizemos que somos como um casal tentando se divorciar, mas sempre se encontrando de novo. Eles tiveram duas partidas realmente muito boas na Copa. Na última, deram um exemplo de quão boa é a Croácia, mas que também nos dá confiança porque ficamos na frente deles nas Eliminatórias e já os derrotamos uma vez", apontou Hallgrimsson.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.