Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Com Vasco em baixa, Wagner admite pressão para clássico: 'Precisamos vencer'

Cruzmaltino vem de derrota na última rodada e enfrentará o Flamengo no Maracanã neste sábado, às 17h

Estadão Conteúdo

25 Janeiro 2018 | 16h34

Em meio a um início de temporada bastante turbulento, o Vasco terá já neste sábado seu primeiro clássico de 2018. Uma derrota diante do Flamengo no Maracanã, às 17 horas, pela terceira rodada do Campeonato Carioca, ampliará a pressão sobre o time de Zé Ricardo. Mas um triunfo diante do maior rival pode amenizar o princípio de crise e recolocar a equipe nos eixos.

+ Confira a tabela do Campeonato Carioca

"Encaramos essa semana decisiva com bons olhos. Teremos um clássico pela frente. É um momento bom e uma grande oportunidade de mostrarmos qual é a nossa real condição no campeonato. Até mesmo por isso, acredito que o Zé Ricardo irá usar a equipe principal com a presença de alguns jogadores que atuaram ontem. Precisamos vencer e fazer uma boa partida diante do Flamengo", declarou o meia Wagner nesta quinta-feira.

Wagner ficou de fora da derrota de quarta para a Cabofriense, quando o Vasco atuou com um time repleto de reservas, mas estará em campo no clássico. Experiente, aos 32 anos, ele celebrou a possibilidade de atuar no confronto. "É um grande clássico, pois movimenta o Brasil inteiro. Muito gostoso jogar uma partida dessa importância."

Um triunfo no fim de semana também seria importante para embalar o Vasco para a estreia na Libertadores. Já na quarta-feira da semana que vem, o time carioca visita o Universidad de Concepción, no Chile. E por mais que exalte a necessidade de vitória sobre o Flamengo, Wagner admitiu que o torneio continental é mesmo a prioridade do clube.

"Não escondemos de ninguém que o nosso foco maior é a Libertadores. Queremos iniciar a nossa caminhada de uma forma positiva, fazendo uma boa apresentação lá no Chile. É o jogo do ano para o Vasco. Estamos trabalhando duro em cima dele. A cabeça precisa estar muito boa nesse tipo de competição, que é diferente. A atmosfera é outra, assim como a maneira de se jogar e do árbitro apitar. Vai ganhar muitas vezes aquele time que estiver mais concentrado. É preciso entrar ligado, jogar firme e não dar brecha para o azar", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.