Bruno Cantini/Atlético
Bruno Cantini/Atlético

Com volta de Chará, Atlético-MG fecha treino e faz mistério para clássico

Colombiano reforça treino para partida contra o Cruzeiro no próximo domingo

Estadão Conteúdo

13 Setembro 2018 | 18h50

O técnico Thiago Larghi fez mistério e fechou o treino desta quinta-feira do Atlético-MG à imprensa. Em atividade reforçada pela presença de Yimmi Chará, de volta da seleção colombiana, o comandante alvinegro escondeu a escalação para o clássico com o Cruzeiro no domingo, no Mineirão, pela 25.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Chará desfalcou o Atlético-MG nas vitórias sobre o São Paulo e o Atlético-PR, ambas no Independência pelo Brasileirão, por servir à Colômbia nos amistosos contra Venezuela e Argentina. Apesar dos triunfos sem ele, o colombiano deverá voltar à equipe como titular, provavelmente na vaga de Tomás Andrade.

Nesta quinta, o próprio Chará foi escolhido para conceder entrevista coletiva e falou sobre o peso de uma vitória no clássico. "É um jogo muito importante para a classificação, para o que queremos, que é estar nas primeiras posições da tabela. Sabemos da importância da partida e nossa equipe está comprometida com tudo isso."

Questionado sobre a possibilidade de fazer um gol no maior rival atleticano, Chará minimizou. "O mais importante é o que a equipe vai mostrar durante os 90 minutos, então, temos que ser competitivos e fazer um jogo inteligente para sair com a vitória", opinou.

Quinto colocado do Brasileirão, com 41 pontos, o Atlético-MG pode ficar mais perto de garantir uma vaga na Libertadores em caso de vitória, afinal, o Cruzeiro é o primeiro time fora da zona de classificação para o torneio no momento, com 33 pontos. Por isso, Chará pediu atenção especial no domingo.

"Os clássicos são sempre vistos de forma diferente, sente-se muito a rivalidade e cada equipe briga por seus interesses. Vamos procurar fazer um bom jogo para que as coisas saiam da melhor maneira. Para esse tipo de partida, é muito importante a concentração e minimizar os erros", afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.