Comissão da Fifa quer mais apertos de mão entre atletas

Uma comissão de especialistas da Fifa quer que os jogadores troquem mais apertos de mão em campo para melhorar a imagem do esporte. Franz Beckenbauer, presidente da Força-Tarefa Futebol 2014, disse depois de uma reunião nesta quarta-feira que os jogadores devem cumprimentar os adversários no círculo central após os jogos.

AE-AP, Agência Estado

22 de fevereiro de 2012 | 13h41

"Eu acho que seria uma melhor imagem, deixarem o campo juntos, não recusarem um aperto de mão", disse Beckenbauer. "Eles devem ser modelos e devem se comportar como modelos a serem seguidos".

O astro alemão acrescentou que o futebol deve prevenir futuros incidentes tais como a recente recusa do atacante Luis Suarez, do Liverpool, de apertar a mão do lateral-esquerdo Patrice Evra, do Manchester United, antes de uma partida. "Esta foi a primeira vez que eu vi. Eu acho que nós simplesmente temos que parar isso", disse.

O presidente Joseph Blatter criou a força-tarefa na Fifa para sugerir formas de

melhorar a qualidade e a imagem do futebol na próxima Copa do Mundo, depois de críticas do Mundial de 2010, na África do Sul. Beckenbauer disse acreditar que uma campanha da Fifa para promover o fair-play seria "mais intensa durante [a Copa de] 2014 no Brasil".

A força-tarefa lembrou partidas importantes que ficaram marcadas por lances ríspidos e agressões, como a decisão da Copa do Mundo de 2010, entre Holanda e Espanha, a semifinal da última Liga dos Campeões da Europa entre Real Madrid e Barcelona, e a decisão da Libertadores de 2011, entre Peñarol e Santos.

Beckenbauer avaliou que "pequenas coisas poderiam melhorar a imagem do futebol". Ele sugeriu que as equipes poderiam deixar o campo juntas no intervalo e voltar juntas para o segundo tempo. "Isso é o que costumava fazer quando eu estava na escola", disse. "E acredito que cada um deve deixar o campo da mesma forma que um entrou no campo".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaapertos de mão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.