Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Comissão de deputados cobra transparência da Prefeitura sobre Engenhão

Políticos criticam falta de informações sobre os problemas do estádio que está interditado

Leonardo Maia, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2013 | 08h05

RIO - Após visita ao Engenhão, uma comitiva de deputados federais cobrou a liberação de todos os documentos relacionados ao estádio pela Prefeitura do Rio de Janeiro. Preocupados com a interdição do local, eles se disseram espantados com a falta de informações sobre a arena.

"É um absurdo que um estádio que não tem nem seis anos de idade, custou seis vezes o orçamento inicial e foi feito com dinheiro público tenha tantos problemas, incluindo esse tão grave na cobertura", declarou o deputado Alessandro Molon (PT-RJ), presidente da Comissão Externa do Legado da Copa e da Olimpíada, após inspeção na estrutura.

Ele se mostrou assustado, principalmente, com a falta de informações sobre o Engenhão. De acordo com o deputado, nem o Botafogo tinha dados sobre a situação da cobertura . Além disso, os dirigentes alvinegros sequer puderam analisar o laudo que motivou a prefeitura a interditar a arena.

"Vamos redigir um requerimento hoje ainda (segunda-feira) e amanhã (terça) vamos encaminhá-lo à prefeitura", disse Molon. "Não deve haver nenhum sigilo quanto aos documentos relacionados ao Engenhão. Queremos todos os projetos e laudos desde 2007."

Está incluído nesta lista o documento que apontou necessidade de interdição. Segundo o laudo, ventos de 63 km/h poderiam causar colapso da cobertura.

O presidente da comissão enumerou outros problemas além da falha na cobertura, que causou a interdição por tempo indeterminado da arena há duas semanas. Segundo Molon, há geradores que não funcionam, baterias inadequadas e falhas de toda a sorte no sistema elétrico do estádio, além de infiltrações e problemas na distribuição de água para andares superiores.

O presidente da comissão visitou o Engenhão acompanhado do diretor executivo do Botafogo, Sérgio Landau, e do presidente do Crea-RJ, Agostinho Guerreiro, além dos deputados Arolde de Oliveira (PSD-RJ), Liliam Sá (PSD-RJ) e Marcelo Matos (PDT-RJ). A imprensa não teve acesso à inspeção porque a diretoria do clube proibiu.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolEngenhãoCampeonato Carioca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.