Comissão técnica aprova desempenho de Vágner Love

Com título da Copa América, atacante pretende receber ofertas de clubes europeus para deixar a Rússia

Luís Augusto Mônaco, do Jornal da Tarde,

16 de julho de 2007 | 20h58

Mesmo tendo feito apenas um gol na Venezuela, Vágner Love voltou para casa com a certeza de ter subido no conceito da comissão técnica - ainda mais depois do que jogou na final contra a Argentina. "Foi minha melhor partida pela seleção."Num bate-papo com os jornalistas durante o vôo de volta, o auxiliar-técnico Jorginho deu razão às expectativas de Love e deixou claro que, se a Copa América foi um vestibular para muitos jogadores, Love passou com louvor. "Ele marca os zagueiros, cai para os lados, volta para combater. Taticamente, é muito útil."O camisa nove mostrou orgulho ao dizer que os dois primeiros gols nasceram de bolas recuperadas por ele no campo do Brasil. "No segundo, tomei a bola do Messi, driblei o Verón e toquei para o Júlio ou para o Josué, não me lembro direito." Quando falou sobre o terceiro gol, num contra-ataque puxado por ele, não resistiu. E provocou: "Foi fácil meter aquela bola pro Daniel Alves. O Riquelme não corre, então foi só tocar na frente e o Daniel entrou voando."Love disse ter notado os argentinos muito confiantes quando entraram em campo, como se tivessem a certeza de que seriam campeões. "Dois dias antes do jogo, o Mascherano disse que eles iriam ganhar. Errou. Fazer o quê?"Mas Vágner Love não vai ter muito tempo para curtir no Brasil o título da Copa América. Dos que atuam na Europa, ele será o primeiro a voltar ao batente. Embarca já nesta quinta-feira para Moscou e, no domingo, deve entrar em campo pelo Campeonato Russo para defender o CSKA. "Temos clássico contra o Lokomotiv. Quando saí de lá o time estava em primeiro. Agora, caiu para sexto."Na volta para a Rússia, pelo menos ele não sofrerá com a temperatura. "Está fazendo 34 graus lá, mais ou menos o que fazia na Venezuela. Duro mesmo é jogar em fevereiro, com 10 abaixo de zero na cabeça." Pode ser que ele só tenha que passar por isso mais uma vez. Seu contrato termina em 2008 e ele tem esperança de receber uma boa proposta para mudar de país. O título da Copa América pode ser uma ótima carta de apresentação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.