Wilton Junior/ Estadão Conteúdo
Wilton Junior/ Estadão Conteúdo

Comissão técnica da seleção brasileira elogia torcida no Maracanã: 'Emocionados'

Com problemas de voz, Tite dividiu respostas, em entrevista coletiva, com auxiliar César Sampaio e preparador físico Fábio Mahseredjian

Marcio Dolzan/ RIO, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2022 | 00h20

Quase sem voz após a goleada do Brasil sobre o Chile por 4 a 0 no Maracanã, o técnico Tite dividiu a entrevista coletiva pós-jogo com um de seus auxiliares, César Sampaio, e com o preparador físico Fábio Mahseredjian. O trio demonstrou uniformidade no discurso e elogiou bastante a torcida, que apoiou o time do início ao fim. Na partida, o atacante Neymar foi o mais ovacionado e teve seu nome gritado mesmo após o apito final.

“Tem muitos significados, tem muitas situações. Os sentimentos são muito particulares”, disse Tite sobre os quase 70 mil torcedores presentes no estádio, após dois anos de uma pandemia que fez com a seleção brasileira tivesse de jogar todas as partidas das Eliminatórias com portões fechados ou público reduzido.

De fato, a torcida foi fiel à seleção durante todo a partida - ainda que Tite tenha sido vaiado por boa parte das arquibancadas quando teve seu nome anunciado pelo sistema de som. “O Maracanã cheio e essa apresentação… Como o Tite disse, a expectativa nossa era retribuir às pessoas que aqui vieram. Não dá pra garantir vitória, mas sim bom espetáculo. Foi uma troca, essa energia que nos deram nós conseguimos fazer um grande jogo”, considerou César Sampaio.

Coube ao preparador-físico da seleção, porém, fazer o comentário mais incisivo sobre a postura da torcida na noite dessa quinta-feira. "É uma alegria tremenda ver esse estádio lotado. O torcedor não tem ideia do que ele proporcionou pra gente também. Foi muito gratificante, nós ficamos emocionados de sair do Brasil com uma vitória dessas rumo ao Catar", comentou Mahseredjian.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.