Divulgação
Divulgação

Comissão técnica de Maradona deixa o Gimnasia após morte do ídolo argentino

Sebastián Méndez, Adrián González, Hernán Castex e Nicolás Czechowicz foram demitidos

Redação, Estadão Conteúdo

27 de novembro de 2020 | 16h31

O Gimnasia La Plata anunciou nesta sexta-feira que a comissão técnica que trabalhava com Diego Armando Maradona, formada por Sebastián Méndez, Adrián González, Hernán Castex e Nicolás Czechowicz, decidiu deixar o clube em razão da morte do ídolo argentino. O último trabalho do ex-jogador, que morreu na última quarta-feira, foi como técnico da equipe de La Plata.

"Uma decisão que entendemos na nossa instituição e que demonstra a qualidade humana de todo o grupo de trabalho que Diego Maradona havia formado e que vinha desenvolvendo muito bem o seu trabalho", disse o Gimnasia, em nota.

"A era de Diego Maradona e sua equipe de trabalho já é uma parte importante da história do nosso clube. Diego saiu como mais um torcedor", completou o clube.

Na ausência de Maradona, que ficou internado em uma clínica e, posteriormente, passou por uma cirurgia no cérebro antes de falecer na última quarta-feira, na cidade de Tigre, o Gimnasia vinha sendo comandado por Sebastián Méndez. O elenco da equipe foi à Casa Rosada se despedir do ex-comandante na quinta-feira. Na ocasião, os jogadores fizeram uma roda em volta do caixão com o corpo do ídolo, que foi enterrado no cemitério Jardín Bella Vista ao lado de seus pais, Diego e Dalma.

Maradona assumiu o comando do Gimnasia em setembro de 2019. Dois meses depois, afirmou que iria sair do clube. No entanto, mudou de ideia rapidamente e resolveu ficar. Ele se afastou dos trabalhos presenciais no meio desse ano em razão da pandemia de covid-19 e teve de trabalhar remotamente.

A última aparição pública de Maradona foi em um jogo do Gimnasia, no dia 30 de outubro, quando o astro argentino completou 60 anos. Na ocasião, ele recebeu uma homenagem antes de a bola rolar para o duelo de estreia na Superliga Argentina, mostrou dificuldades para andar e deixou o estádio ao final do primeiro tempo. Três dias depois, foi internado e, posteriormente, passou por uma cirurgia para a retirada de um edema no cérebro. Não conseguiu se recuperar, no entanto, e morreu após sofrer uma parada cardiorrespiratória em sua casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.