Comissão técnica do Brasil torce contra grandes da Europa

Enquanto os torcedores europeus fazem promessas para seus times prosseguirem nas competições, a comissão técnica da seleção brasileira reza por suas eliminações, com o objetivo de ver os jogadores brasileiros mais descansados para a Copa do Mundo da Alemanha. Mas, apesar do desejo, o técnico Carlos Alberto Parreira se mostrou tranqüilo com um dos principais aspectos físicos da equipe: a média etária ? 27 anos. O supervisor técnico da seleção, Américo Faria, foi quem admitiu a torcida pela saída dos clubes europeus das disputas, como a Liga dos Campeões ou das copas nacionais. O dirigente não quis polemizar, mas ressaltou que a diminuição na carga de jogos a serem realizados pelos atletas os deixará menos desgastados para o Mundial. ?Uma coisa que nos beneficiou na Copa passada foi o fato de alguns jogadores não estarem jogando por seus clubes e ficarem apenas treinando. Eles tiveram um preparo melhor durante o Mundial?, disse Américo Faria. Vale lembrar que o atacante Ronaldo e o meia Rivaldo sofreram contusões e ficaram um longo período inativos antes da competição de 2002. Para o supervisor técnico da seleção, a eliminação do Barcelona da Copa do Rei é um benefício para o Brasil, já que o meia Ronaldinho Gaúcho, além do volante Edmílson e o lateral-direito Belleti, têm chances de serem convocados para a Alemanha. E, com a saída, voltaram a atuar somente uma vez por semana. ?Não estamos felizes com a eliminação do Barcelona. Mas, cá entre nós e até torcemos para que os europeus não nos ouçam, torcemos que eles saiam mesmo dessas copas e fiquem só com seus campeonatos regionais?, afirmou Faria. ?É melhor porque os atletas se desgastam menos e passam a jogar apenas uma vez por semana?. Apesar do excesso de partidas dos clubes europeus, onde estão 90% dos atletas do Brasil, e, com isso, a possibilidade de os jogadores chegarem à Copa desgastado aumenta, o técnico da seleção vê na média etária da equipe um trunfo. O treinador frisou que esse dado mostra que o time está equilibrado e em um momento ideal para voltar a ser campeão do mundo. ?Para uma Copa do Mundo, 27 anos é uma média excepcional, está no ponto ideal. Não é muito baixa, nem elevada, o que demonstra que temos equilíbrio?, explicou Parreira. ?Até 30 anos é uma média aceitável. Li que a Argentina, por exemplo, tem 29?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.