Jae C. Hong / AP
Jae C. Hong / AP

Comissário da NBA diz que liga ainda não sabe tamanho do prejuízo por coronavírus

Diretoria da principal de basquete do mundo liga espera que torneio possa ser concluído até agosto

Redação, Estadão Conteúdo

21 de março de 2020 | 18h42

A NBA ainda não tem a menor ideia do tamanho do impacto negativo da pandemia do coronavírus para as suas finanças. Adam Silver, comissário da maior liga de basquete do mundo, diz que o prejuízo só vai aparecer no momento em que for possível saber quando os jogos voltarão a ser disputados.

A liga não tem atividades desde o dia 11 deste mês, quando foi anunciada a primeira contaminação de um jogador pelo covid-19: a do francês Rudy Gobert, do Utah Jazz. Desde então, outros nove atletas foram diagnosticados com o coronavírus.

"Ainda é muito cedo para saber qual será o impacto econômico", declarou Silver. "Nós analisamos diariamente, ou até de hora em hora, todos os cenários possíveis e vamos continuar revendo as consequências financeiras. Obviamente não é um bom cenário, mas todos, não importa qual seja o ramo de atividade, estão no mesmo barco."

A temporada regular da NBA estava programada para acabar no dia 15 de abril, mas já se sabe que não será possível retornar às atividades até lá. Isso significa dizer que 259 partidas ficarão acumuladas, sem contar os jogos dos playoffs. Existe no acordo coletivo entre a liga e os jogadores uma cláusula que determina que a NBA pode reter 1,08% do salário de cada jogador por cada partida não realizada em razão de um motivo de força maior - como uma guerra ou uma pandemia. Essa cláusula, porém, só poderá ser acionada caso os jogos sejam cancelados, o que ainda não é o caso.

Em conversa com os times, a diretoria da NBA disse que espera que o campeonato seja concluído até o fim de agosto, mas é evidente que essa previsão pode mudar de um dia para outro.

"Estamos explorando todas as opções para recomeçar nossa temporada quando for seguro fazê-lo. Nada está fora da mesa", afirmou Silver.

A atual temporada tem sido um pesadelo para a NBA, que teve de enfrentar uma controvérsia com a China (causada por declarações de um dirigente do Houston Rockets), a morte do ex-comissário David Stern, a tragédia que tirou a vida do ídolo Kobe Bryant e, agora, a pandemia do coronavírus.

"Tem sido uma temporada complicada para todos nós", admitiu Silver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.