Chaiwat Subprasom/Reuters
Chaiwat Subprasom/Reuters

Comitê de Apelação da Fifa reduz pena de ex-dirigente da Tailândia

Worawi Makudi, ex-presidente da federação de futebol local, terá de cumprir apenas três anos e meio de suspensão

Estadão Conteúdo

16 Maio 2018 | 20h26

O Comitê de Apelação da Fifa decidiu reduzir nesta quarta-feira a punição aplicada ao tailandês Worawi Makudi, ex-presidente da Federação de Futebol da Tailândia. A suspensão inicial, de cinco anos, foi diminuída para três anos e meio. A multa de 10 mil francos suíços (cerca de R$ 36 mil) foi mantida.

+ Por corrupção, Arábia Saudita bane árbitro escalado para a Copa

+ Ainda sem explicar banimento de Del Nero, Fifa 'trava' recurso de advogados

Makudi foi punido inicialmente em outubro de 2016 pelo Comitê de Ética por infringir dois artigos do Código de Ética da Fifa, que citam falsificação e obrigação de colaboração em investigações.

A punição aconteceu depois de Makudi ser condenado a 16 meses de prisão - a punição foi suspensa em seguida - por um tribunal local por ter alterado documentos das eleições da federação de futebol do país, em 2013.

No ano passado, ele foi declarado inocente da acusação de falsificação no tribunal do seu país. Mas a Fifa decidiu manter a punição no âmbito esportivo. "Enquanto reduz a sanção imposta pelo Comitê de Ética, o Comitê de Apelação concorda com os argumentos apresentados contra o acusado na primeira instância", registrou a Fifa, em comunicado.

Antes de ser suspenso, Makudi integrou o antigo Comitê Executivo da Fifa que escolheu a Rússia e o Catar como sedes das próximas edições da Copa do Mundo, neste ano e em 2022, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.