Stephanie Keith|Reuters
Stephanie Keith|Reuters

Comitê de Ética da Fifa bane dois dirigentes de Honduras por corrupção

Alfredo Hawit e Rafael Callejas admitiram culpa durante investigação

Estadão Conteúdo

19 de dezembro de 2016 | 16h47

O Comitê de Ética da Fifa baniu nesta segunda-feira dois dirigentes de Honduras por corrupção. Ambos admitiram serem culpados em uma investigação feita pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Alfredo Hawit, vice-presidente da Fifa, e Rafael Callejas, ex-presidente de Honduras entre 1990 e 1994 e também mandatário da Federação de Futebol do país, confessaram que tentaram obstruir as investigações.

A Fifa informou que ambos aceitaram subornos de empresas de marketing ligadas a obtenção de direitos comerciais de jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo. Hawit também aceitou subornos de outras empresas com promessas de que ajudaria a conseguir contratos junto à Fifa.

Hawit era o presidente interino da Concacaf quando foi preso em Zurique, na Suíça, em dezembro de 2015. Ele é o terceiro mandatário da Confederação da América Central e do Norte banido da Fifa desde o início dos escândalos de corrupção da entidade, revelados em maio de 2015.

Além dele, deixaram a Fifa Jack Warner, de Trinidad e Tobago, e Jeffrey Webb, das Ilhas Cayman. O primeiro está tentando deixar os Estados Unidos e voltar ao seu país de origem e o outro aguarda a definição da sentença em Atlanta por extorsão.

Rafael Callejas era membro do Comitê de Marketing e TV da Fifa, quando foi indiciado pela Justiça dos Estados Unidos no final de 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.