Walter Bieri/EFE
Walter Bieri/EFE

Comitê da Fifa discutirá investigações em reunião nesta semana

Encontros serão comandados pelo presidente Joseph Blatter

Estadão Conteúdo

22 de setembro de 2015 | 09h17

Os membros do Comitê Executivo da Fifa serão atualizados com informações sobre o andamento das investigações sobre corrupção realizadas pelas autoridades norte-americanas e suíças que envolvem alguns de seus próprios membros, revelou, nesta terça-feira, a entidade máxima do futebol.

Os dois dias de reuniões se iniciam nesta quinta-feira e serão comandados pelo presidente Joseph Blatter, que também seria alvo dessas investigações. Nove dos atuais membros do comitê, incluindo Blatter, participaram da votação que definiu as sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022, que são o foco de uma investigação na Suíça sobre possível lavagem de dinheiro e má gestão criminosa dos ativos da Fifa.

No caso dos Estados Unidos, a procuradora-geral Loretta Lynch disse na semana passada em Zurique que esperava mais indiciamentos em uma investigação sobre extorsão e suborno, que já acusou 14 pessoas, entre eles José Maria Marin, e já recebeu quatro confissões de culpa.

A relutância de Blatter em visitar países que têm um tratado de extradição com os Estados Unidos parece ter afetado a agenda de negócios da Fifa. A entidade explicou que o comitê executivo decidirá na sexta-feira a data e local de sua próxima reunião. O encontro havia sido previamente programado para ocorrer em 17 e 18 de dezembro no Japão, que sediará o Mundial de Clubes no fim do ano e onde Blatter correria o risco de ser preso.

Uma opção poderia ser deixar uma rara lacuna de cinco meses entre as reuniões dos dirigentes, com as próximas sendo realizadas dias antes do congresso extraordinário marcado para 26 de fevereiro de 2016, quando o sucessor de Blatter será eleito. O comitê executivo também vai aprovar uma agenda para o congresso nesta semana, disse a Fifa.

A agenda divulgada pela entidade foi assinada pelo secretário-geral interino Markus Kattner, que assumiu a função na última quinta-feira, após Jérôme Valcke ser suspenso das suas funções depois de ser acusado de participar de um esquema ilegal de venda de ingressos para a Copa do Mundo de 2014.

De acordo com a agenda, o presidente da CBF, Marco Polo del Nero, vai apresentar uma atualização sobre a organização do torneio de futebol dos Jogos Olímpicos de 2016. O comitê responsável pela organização do torneio olímpico, porém, teria se reunido na última segunda-feira sem a presença do dirigente brasileiro.

Del Nero deixou a Suíça repentinamente em maio, depois das prisões de vários dirigentes, incluindo Marin, seu antecessor na CBF. Desde então, o dirigente tem permanecido recluso no Brasil, sem realizar viagens internacionais, tendo ficado fora de reuniões da Fifa e de torneios disputados pelas seleções do Brasil, como a Copa América.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.