Filip Singer/EFE
Filip Singer/EFE

Em Congresso, Uefa afrouxa normas do Fair Play Financeiro

Futebol feminino será isento do cálculo de equilíbrio dos clubes

O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2015 | 10h36

Nesta terça-feira, durante Congresso realizado em Praga, na República Checa, o Comitê Executivo da Uefa aprovou o novo regulamento do Fair Play Financeiro, que entra em vigor já nesta quarta e é válido até o ano de 2018. O novo código já era desenvolvido desde 2013 e contou com uma série de consultas entre a entidade e a Associação de Clubes Europeus (ECA). Como era esperado, a regra foi 'aliviada' em alguns pontos, mas exige contrapartidas.

Investimentos para desenvolver o futebol feminino, por exemplo, passam a ser isentos do cálculo do equilíbrio financeiro dos clubes. O novo regulamento também incentiva a escolaridade de jogadores de categorias de base e 'programas educativos' a respeito dos 'problemas e perigos da manipulação de resultados'. 

Outra mudança importante é a da inclusão de um novo recurso em que o clube, mesmo antes de se classificar para uma competição europeia, precisa se submeter às regras, caso tenha objetivos neste sentido. Porém, as restrições (como a limitação de contratações, por exemplo), não serão aplicáveis a partir da primeira temporada, ao contrário do código válido até esta terça-feira.

O presidente da ECA, o ex-jogador alemão Karl-Heinz Rummenigge, pediu para que as agremiações apoiem o novo regulamento: 'As regras do Fair Play Financeiro formam um elemento muito importante para permitir aos clubes controlar sua situação econômica. Por isso, a ECA convoca todos os clube a apoiar o sistema e trabalhar dentro das novas regras'.

'As novas normas ampliam e fortalecem o Fair Play Financeiro', afirmou o presidente da Uefa, Michel Platini. No mais, o princípio da iniciativa permanece sendo o mesmo: os clubes interessados em participar de competições da Uefa não podem gastar mais do que arrecadam. Caso contrário, podem ser sancionados com restrições de transferências e até exclusões de campeonatos organizados pela entidade.

No Congresso, o Comitê Executivo da Uefa ainda anunciou a obrigatoriedade da criação de um cargo nos clubes que trate exclusivamente da acessibilidade dos estádios e instalações, visando maior inclusão dos deficientes físicos. Também foi anunciada a sede da final da Liga dos Campeões 2016-2017: será realizada em Cardiff, no País de Gales.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.