Companheiros isentam Carlos Alberto

Aos 15 minutos do segundo tempo, houve comemoração no banco corintiano com a expulsão de Antônio Carlos do Fluminense. A alegria de atuar com um jogador a mais durou só três minutos. Carlos Alberto foi expulso infantilmente depois de uma entrada em Juan e foi o vilão da primeira derrota na vida do técnico Márcio Bittencourt.?Ele é um jogador forte, que vai com vontade para as bolas...Eu não vi direito a expulsão, estava conversando?, disse Márcio, tentando proteger o meia. Carlos Alberto, que neste domingo estreou cachinhos no cabelo, disse que não teve culpa na expulsão. ?Foi uma falta normal. O juiz foi muito rigoroso?, dizia ao sair de campo.Ele não enfrentará o Fortaleza no domingo. Será a quarta partida que Carlos Alberto ficará fora por indisciplina. Seu futebol vem sendo questionado pela própria diretoria. Mas o que não falta ao jogador é defensor no Corinthians. ?O Carlos Alberto foi muito bem marcado. Não teve espaço para atuar. Ele foi mal como todos nós fomos. Não tem de ser marcado, perseguido, rotulado como responsável pela derrota?, dizia Roger.Até mesmo o novo capitão do time, Betão, buscava aliviar a cobrança em relação ao jogador. ?Ele foi expulso injustamente. Não merecia?, defendeu Betão.Carlos Alberto, desde a sua chegada, só fala em seleção brasileira, mas ainda não conseguiu justificar sequer o alto investimento feito para a sua contratação. Kia Joorabchian, dono da MSI, fez questão de protegê-lo na briga que o jogador teve com o atacante argentino Carlos Tevez durante um treino. Kia gosta muito do meia, que é sua companhia freqüente em jantares.?O Carlos Alberto é um grande jogador e sempre faz o que pode para nos ajudar. Contra o Fluminense ele não conseguiu, mas vai se recuperar?, disse Márcio Bittencourt.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.