Conca vem ao Brasil para férias e preocupa chineses

Conca está de férias no Brasil. Mas a estada do meia no País pode se estender por tempo indeterminado. O presidente do clube chinês no qual atua o argentino revelou que Conca deixou uma carta comunicando que não retornaria ao Guangzhou Evergrande para a próxima temporada. Nas palavras de Liu Yongzhuo, a carta do meia lia: "Eu fui e não vou voltar".

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2012 | 19h21

"Na verdade, ele nos disse isso anteriormente, quando começou a forçar uma transferência. O Conca deve cumprir os termos estipulados no contrato. Neste caso, houve uma clara violação do contrato", declarou Yongzhuo, a uma publicação chinesa.

O jogador já manifestou sua intenção de interromper o acordo com o Evergrande e retornar ao Fluminense. Mas o rompimento do contrato significaria uma multa milionária que o clube tricolor não está disposto a pagar, e da qual o time chinês não abre mão.

"Quando você aceita um jogador em litígio, o clube passa a ser solidário na ação e pode ser punido pela Fifa. O Conca é sonho, mas precisamos da desvinculação dele. O ideal é que consiga ser liberado. Aí faremos uma proposta muito legal", comentou o presidente do Fluminense, Peter Siemsen, à ESPN Brasil.

"Se as condições para a transferência não forem cumpridas, ele não pode sair até o fim do contrato. Se ele não voltar, vamos ao tribunal para proteger nossos interesses e poderemos acionar a Fifa", ameaçou Yongzhuo.

O advogado de Conca, Marcos Motta, nega que o argentino tenha a intenção de abandonar o time chinês. "Ele apenas avisou por e-mail que ficaria mais dois dias no Brasil, onde está de férias, como combinado. Uma rescisão unilateral do contrato seria terrível do ponto de vista legal e financeiro. São valores altíssimos. Ele não é irresponsável de fazer isso e só sairá de comum acordo", disse Motta.

Os dirigentes do Fluminense farão contratações pontuais para 2013, mas uma das necessidades é um meia.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFluminenseBrasileirãoConca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.