Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Concentrado nos últimos jogos do Atlético-MG, Léo Silva evita tema aposentadoria

Com 40 anos de idade, zagueiro pode se despedir do futebol no final da temporada

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2019 | 13h46

Com mais cinco partidas até o final do Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG luta para acabar com qualquer risco de rebaixamento - o time está em 13.º lugar com 41 pontos, seis a mais que o Fluminense, o primeiro na degola. Esses últimos jogos da temporada podem representar também o final da carreira do zagueiro Leonardo Silva, de 40 anos, ídolo da torcida pelos gols decisivos que fez e títulos que conquistou. Mas ele não quer saber de falar disso agora.

"No momento, não (decidi quando parar). Provavelmente será no último jogo (deste ano), mas nada definido", disse Leonardo Silva, nesta quarta-feira, em entrevista coletiva na Cidade do Galo, o CT do Atlético-MG. "Está sendo como um dia normal de trabalho, um dia qualquer. Claro que um pouco mais de ansiedade, de reflexão sobre tudo aquilo que já fiz e passei. Vivendo o dia a dia e aproveitando o que eu faço dentro de campo, competindo da melhor maneira".

Leonardo Silva tem 22 anos de carreira, sendo no Atlético-MG. O zagueiro tem títulos acumulados na carreira e gols decisivos, entre eles o mais importante da história do clube - na final da Copa Libertadores de 2013 contra o Olimpia, do Paraguai.

Titular contra o Athletico-PR neste domingo, no Mineirão, pela 34.ª rodada do Brasileirão, Leonardo Silva fará o 387.º jogo pelo Atlético-MG. O defensor fará dupla com Maidana na zaga, já que os titulares Réver e Igor Rabello estão suspensos. "Quanto ao entrosamento, não pesa. Jogamos juntos muitas vezes, treinamos diariamente juntos. Coletivamente vamos ajustar da maneira que o (técnico Vagner) Mancini quiser, mas não há nenhum problema de entrosamento", comentou.

O zagueiro sabe que ele e Maidana terão muito trabalho contra o Athletico-PR, que tem jogadores velozes, mas lembrou da boa sensação de jogar no Mineirão, palco de algumas das grandes glórias da carreira. "Um estádio onde tenho excelentes lembranças. Espero poder escrever mais uma boa história, mais um jogo com o placar positivo, pra que a gente consiga zerar qualquer questionamento sobre possibilidades ruins da nossa equipe. É um jogo especial e de muita responsabilidade coletiva pra que a gente consiga dar nosso melhor. Eu e o Maidana estamos substituindo Igor e Réver pra que a gente consiga manter o mesmo padrão, pra equipe se sentir confiante e pra gente conseguir a vitória, espantar qualquer mal e pensar em outras coisas nesses últimos jogos", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.