Marcos D´Paula/AE
Marcos D´Paula/AE

Concorrência na seleção não incomoda atacante Luis Fabiano

'Convivo com essa disputa há muito tempo', revelou o jogador, que tem a sombra dos reservas Adriano e Pato

AE, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 15h57

O atacante Luis Fabiano firmou-se como titular da seleção brasileira no ano passado. Depois de marcar os dois gols na vitória por 2 a 1 sobre o Uruguai, na última partida das Eliminatórias em 2007, ele ganhou a confiança do técnico Dunga. A pouco mais de um ano da convocação para a Copa do Mundo, o jogador do Sevilla não se incomoda com a forte concorrência no setor.

Veja também:

linkFelipe Mello, Luisão e Marcelo saem na frente por vaga

linkResolvido no Man City, Elano defende seu espaço na seleção

linkThiago Silva promete que falta de jogos não atrapalhará

linkDunga acredita que Kaká estará em campo neste domingo 

linkDunga diz ter dúvidas para escalar seleção brasileira

linkPato diz que não tem pressa para ser titular na seleção 

linkTitular absoluto, Júlio César rejeita título de melhor

tabela Classificação

lista Calendário / Resultados

"Sempre vai ter gente querendo entrar. O Brasil é o berço dos melhores do mundo, e quem está dentro faz o melhor pra continuar. É o meu caso, espero que esse momento se estenda até a Copa do Mundo, que é o meu maior sonho e objetivo. E sei que só depende de mim", afirmou Luis Fabiano na Granja Comary, onde a seleção se prepara para os confrontos com Equador e Peru, pelas Eliminatórias.

Entre os concorrentes por uma vaga no ataque estão os atuais reservas Adriano e Alexandre Pato, além de Keirrison - que tem se destacado no Palmeiras - e Ronaldo, de volta à ativa e disposto a recuperar a camisa 9 da seleção. Mesmo diante de rivais de renome, Luis Fabiano não parece preocupado.

"Não me assusta porque eu convivo com isso há muito tempo. Quando comecei na seleção já tinha o Ronaldo, o Rivaldo, outros grandes nomes. A gente está acostumado a isso, e o importante é continuar trabalhando. Pouco a pouco a hora vem chegando, eu vou me formando, sentindo à vontade. Eu estou com uma sequencia e isso é muito importante", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.