Condicionamento físico escala o Palmeiras

A lei do mais forte está em alta no Palmeiras. Para a estréia no Campeonato Paulista, contra a Internacional, às 15h30 desta quarta-feira, no Estádio Major José Levy Sobrinho, em Limeira, o técnico Estevam Soares foi obrigado a escalar os jogadores que melhor suportaram os fortes treinos físicos, no curto período de pré-temporada."Os atletas não são culpados por esse calendário injusto, mas cada um terá de se empenhar um pouco mais, nesse momento", afirmou Estevam. "O time precisaria de dez dias para estar em boas condições físicas." O treinador confia na formação que mandará a campo, mas entende que o adversário leva vantagem. "A Internacional está treinando há quinze dias, fez alguns amistosos e está mais entrosada", lembrou Estevam. "Precisamos jogar com inteligência e valorizar a posse de bola." O lateral-direito Bruno e o meia-atacante Marcel, dois dos cinco reforços do Palmeiras, vestem a camisa do novo clube pela primeira vez já na estréia desta quarta-feira. Revelado pelo Marília na Série B do Brasileiro, Bruno não se intimidou com a chegada de André Cunha, com quem vai disputar a posição. "Teremos vários campeonatos pela frente e quem estiver melhor, vai jogar", afirmou. Marcel vai se revezar com Diego Souza, na chegada ao ataque, junto com Ricardinho. "Sempre atuei assim, o entrosamento não será problema", acredita. A dupla foi elogiada por Estevam nos treinamentos, especialmente o ex-jogador do Paraná. "O Marcel tem muito potencial", comentou o treinador. Comida caseira - No quesito preparação física, Ricardinho saiu na frente dos outros atacantes do elenco. Nas férias, jogou várias vezes com amigos em João Pessoa, sua cidade natal, e se alimentou com fartura. "Minha mãe cozinha muito bem, fez todos os pratos que eu gosto", brincou o jogador. "Se agora estou bem condicionado, devo isso a ela também." Um dos destaques do time no último Campeonato Brasileiro, Ricardinho sabe que a disputa pela posição vai ser difícil. Warley, Osmar, Thiago Gentil, Adriano Chuva e Muñoz também estão de olho na vaga - Anselmo, Alex Afonso, Kahê e Zé Eduardo, outros atacantes do grupo, devem ser emprestados ou atuar no Palmeiras B. "Não importa a quantidade e sim a qualidade", raciocina Ricardinho. "Vou brigar pelo meu espaço."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.