Efe/ Barry Aldworth
Efe/ Barry Aldworth

Confederação Africana estuda punições após violência na semifinal

Entidade estuda fechar os portões de próximo jogo da Guiné Equatorial na Copa Africana depois de torcida invadir o campo

Mark Gleeson, Reuters

06 de fevereiro de 2015 | 11h30

Autoridades da Confederação Africana de Futebol (CAF) devem decidir, nesta sexta-feira, quais ações adotar após mais uma noite que envergonhou o esporte no continente durante um jogo da Copa Africana de Nações na Guiné Equatorial.

Pelo menos 10 pessoas ficaram feridas quando a violência interrompeu bruscamente a semifinal entre o país-sede e Gana, em Malabo, na quinta-feira, resultando em cenas de caos nas redondezas do estádio de um país que tem pouca experiência com distúrbios populares. 

Gana venceu a partida por 3 x 0 e disputará a final com a Costa do Marfim, e a Guiné Equatorial deve disputar o terceiro lugar com a República Democrática do Congo, no sábado.Mas é possível que a CAF ordene que a decisão aconteça com portas fechadas, disseram autoridades nesta sexta-feira. 

O comitê organizador da competição está reunido em Malabo para decidir como reagir. O porta-voz da CAF, Junior Binyam, afirmou que nenhum comunicado sobre o incidente seria emitido antes da reunião. Torcedores locais frustrados com a derrota no Nuevo Estadio de Malabo agrediram o time adversário, seus torcedores e dirigentes com objetos variados, até serem expulsos do estádio pela tropa de choque. 

A agressão continuou do lado de fora, deixando as ruas no entorno da arena repletas de pedaços de cimento, objetos quebrados e vidro estilhaçado – e o torneio mergulhado no caos. A Guiné Equatorial, que assumiu a sede no lugar do Marrocos com poucos meses de antecedência, vinha desfrutando de um período de publicidade positiva por ter organizado um torneio empolgante de 16 seleções com público grande e entusiasmado. 

Mas a óbvia falta de infraestrutura de segurança do país transformou a história de sucesso em uma tragédia em potencial quando os torcedores locais foram deixados livres para desabafar com violência sua frustração por ver o time da casa perder.Na semana passada, a competição já tinha exibido um vislumbre de seu lado nefasto quando torcedores tunisianos tentaram atacar um árbitro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.