Confederação Africana rejeita pedido do Togo de voltar a torneio em Angola

Ministro de Esportes do Togo pediu reintegração de sua seleção à Copa das Nações após 3 dias de luto.

BBC Brasil, BBC

11 de janeiro de 2010 | 11h00

A Confederação Africana de Futebol (CAF) rejeitou nesta segunda-feira um pedido da seleção do Togo de voltar à Copa das Nações Africanas em Angola.

Os jogadores togoleses haviam retornado a seu país na noite de domingo para cumprir três dias de luto oficial pelas vítimas do ataque do qual foram alvo na última sexta-feira.

A maioria dos jogadores teria manifestado a vontade de permanecer em Angola mesmo após o incidente, mas teriam recebido ordens do governo de retornar a seu país durante o período de luto.

O ministro de Esportes do Togo pediu à CAF que a seleção de seu país fosse reintegrada à competição após o luto.

A CAF não explicou as razões de sua decisão. Mas segundo o correspondente da BBC em Luanda, Russell Fuller, a entidade parece ter tido mais motivações políticas do que práticas.

"Pode ser que a volta da equipe do Togo acarretasse mudanças nos horários das televisões ou que fizesse com que os jogadores tivessem que entrar em campo com uma frequência maior do que a que estão acostumados. Mas nessas circunstâncias, não acredito que estes obstáculos fossem um impedimento", disse Fuller.

"A política por trás do futebol africano é extraordinária. Talvez a CAF quisesse ser vista como uma entidade com controle da situação."

Luto

A equipe do Togo voltou para casa em um avião enviado pelo primeiro-ministro togolês, Gilbert Houngbo.

"Não podemos estar de luto e, ao mesmo tempo, participar de um festival esportivo", disse o ministro dos Esportes de Togo, Christophe Padumhokou Tchao.

"Os jogadores estão indo junto com os corpos de seus irmãos que faleceram, e pedimos para a CAF encontrar uma maneira de nos incluir na competição depois", declarou.

Três pessoas morreram no ataque na província angolana de Cabinda, quando o ônibus em que os jogadores viajavam foi atingido por tiros de metralhadoras durante pelo menos 30 minutos.

O governo de Angola condenou o ataque e anunciou que está reforçando a segurança em Cabinda.

Togo deveria jogar sua primeira partida nesta segunda-feira, contra Gana.

Pelo mesmo grupo, a Costa do Marfim enfrenta Burkina Fasso.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.