Confiante, Felipão tenta igualar geração de Eusébio

?Os jogadores querem ouvir o sino do mosteiro até o dia 8.? A frase de Luiz Felipe Scolari, referindo-se ao tradicional momento diário do Klosterpforte Hotel, antigo mosteiro em Marienfeld, com quase 900 anos, local da concentração portuguesa na Alemanha, demonstra a vontade e a confiança dos jogadores portugueses em obter uma vaga na semifinal da Copa do Mundo, neste sábado, em Gelsenkirchen, diante da Inglaterra. O feito igualaria o da seleção de 1966, liderada pelo lendário Eusébio, que terminou em terceiro lugar no Mundial da Inglaterra. Felipão revelou que uma vitória neste sábado terá um lugar reservado. ?Posso dizer que será o terceiro feito mais importante de minha vida?, disse o treinador, sem revelar quais eram os outros dois. ?Não sei, pode ser algo fora do futebol.?Bem-humorado, Felipão tentou amenizar o clima de guerra fomentado pela imprensa inglesa, que chamou o time português de violento. ?Espero que possa ser um grande jogo. São dois grandes times e com duas belas torcidas. É um momento de alegria e confraternização.? E continuou.?Notícias falsas tentaram mostrar algo errado sobre Portugal. É só ver as estatísticas dos últimos três anos e meio para ver que não tínhamos uma expulsão, enquanto outras equipes possuem um número muito maior de cartões amarelos e vermelhos.?E voltou a explicar aos jornalistas ingleses o porquê de não ter aceitado o convite para dirigir a seleção inglesa. ?Sou um pouco diferente dos outros. Sou do tempo que se honrava os contratos. Não poderia assumir um compromisso, tendo vínculo com outra seleção?, afirmou. ?Depois de 31 de julho, quando acaba meu contrato, seria livre e a Federação Portuguesa também poderá fazer o que quiser.?Felipão não aceitou comentar um possível duelo com a seleção brasileira nas semifinais. ?Não posso pensar no Brasil. Tenho de me concentrar na Inglaterra, como o Brasil também ainda precisa pensar na França.?O treinador também não gostou quando um jornalista inglês disse que o futebol apresentado pela seleção portuguesa não era bonito de se ver em ação. ?Jogo pelo resultado. Em um campeonato eliminatório não se pode correr riscos. O importante é vencer. Joga-se bonito se der. Quem jogou lindo tá em casa?, disse Felipão, referindo-se à Espanha. A Argentina ainda não havia perdido para a Alemanha nos pênaltis no momento da entrevista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.