Stoyan Nenov/Reuters
Stoyan Nenov/Reuters

Confinado no CT da Inter de Milão, Eriksen relata drama pessoal durante pandemia

Jogador dinamarquês morava em hotel que foi fechado pela covid-19 e não conseguiu achar outro lugar para se instalar

Redação, Estadão Conteúdo

10 de maio de 2020 | 12h32

Contratado pela Inter de Milão no fim de janeiro, o meia Christian Eriksen relatou seu drama pessoal na Itália durante a pandemia do novo coronavírus. Em entrevista ao jornal britânico The Sun, o jogador dinamarquês contou que passou o período de confinamento nas instalações do clube italiano.

Como o hotel em que morava fechou em razão da covid-19 e não houve tempo hábil para procurar uma moradia em Milão, Eriksen foi obrigado a mudar para o centro de treinamento da Inter, onde permaneceu isolado por semanas.

"Fiquei correndo no porão do estacionamento e calculei que podia correr 35 metros, girar e depois correr mais 35 metros para trás. Não toquei em uma bola por sete semanas. Foi o período mais longo sem futebol na minha vida", relatou ao The Sun.

Sem casa em Milão, o dinamarquês pensou em recorrer aos colegas de Inter, pedindo um abrigo durante a quarentena. "Pensei em falar com o Lukaku e o Young, mas eles tinham famílias para cuidar e 14 dias dormindo no sofá de alguém é tempo demais", disse o ex-meia do Tottenham. "Em vez disso, acabei ficando nas instalações do clube com um chef e cinco membros da comissão técnica, que optaram por ficar de quarentena para proteger as suas famílias", explicou.

Eriksen também revelou que recebeu uma advertência da polícia italiana ao violar a quarentena para ir fazer compras no mercado. O país, muito afetado pela pandemia, decretou durante um tempo o lockdown, isto é, medidas mais restritivas de isolamento a fim de conter o avanço do vírus.

"A polícia me parou e, com o meu péssimo italiano, tive que explicar o que estava fazendo, para onde estava indo e porque estava fora de casa", disse o jogador.

A Itália é o terceiro país do mundo com o maior número de casos de coronavírus, com mais de 218 mil pessoas infectadas e mais de 30 mil mortes. No entanto, o país vem registrando quedas no número diários de casos da doença, o que possibilitou ao governo começar a relaxar as regras de confinamento e permitir que os clubes abrissem seus centros de treinamentos para os atletas.

A Inter de Milão comunicou que todos os exames para covid-19 realizados pela equipe principal tiveram resultado negativo. As sessões de treino individuais opcionais começaram na última sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.