Reprodução
Reprodução

Confira 10 curiosidades sobre o 'aniversariante' Estádio do Pacaembu

Relembre alguns fatos históricos do Estádio, que faz 75 anos

Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2015 | 07h00

1. 'O Mais Querido'

Na cerimônia de inauguração do estádio, realizada há exatos 75 anos, o então presidente Getúlio Vargas recebeu uma 'provocação' do time do São Paulo que ganhou apoio maciço do público e dos veículos de imprensa contra a censura. Já como presidente-ditador, Vargas proibiu a ostentação de bandeiras estaduais visando a 'integração nacionalista', porém, o São Paulo entrou no desfile apresentando as cores e o nome do time, que são as mesmas do Estado de São Paulo. Resultado: foi ovacionado e aplaudido pelo público e pelos locutores avessos à censura de Vargas. Foi assim que o clube ganhou o apelido de 'O Mais Querido'.

2. Tombamento (Art Déco)

O estádio foi tombado em 1998 em virtude de seu estilo arquitetônico 'Art Déco', próprio da época em que foi construído. O movimento artístico, que teve sua origem na Europa na década de 1910, remete à 'Art nouveau', adotando princípios do cubismo e do exotismo. Os objetos têm decoração geometrizada na arquiteturas. A prefeitura de Los Angeles, o prédio do Parlamento do Japão e até o Cristo Redentor são construções que respeitam o 'Art Déco'.

3. Recordista de títulos

Com 26 títulos, o Palmeiras é o maior campeão da história do Pacaembu. Apenas nos anos 40, primeira década de atividade do estádio, o Palmeiras foi campeão em 1943, 1945, 1946, 1948 e 1949. O último título alviverde levantado no Pacaembu foi a Série B de 2013.

4. Maior público

Hoje, o Pacaembu conta com uma capacidade total de 37.730 espectadores. Porém, em maio de 1942, um clássico entre Corinthians e São Paulo chegou a receber 72.018 torcedores, recorde de público da história do estádio. O jogo terminou empatado em 3 a 3 e marcou a estreia de Leônidas da Silva, o 'Diamante Negro', no time são-paulino.

5. Maior goleada

A maior goleada da história do Paulo Machado de Carvalho também envolveu o São Paulo. Em 1945, a equipe bateu o Jabaquara, de Santos, por nada menos que 12 a 1, pelo Campeonato Paulista. Aquele time terminaria o torneio como campeão, o terceiro título estadual da história do São Paulo.

6. Adeus, baixinho

No dia 27 de abril de 2005, ou seja, há exatos 10 anos, o Pacaembu voltava a receber a seleção brasileira após 37 anos. O amistoso, contra a Guatemala, foi organizado por uma causa nobre: seria a despedida de Romário da seleção brasileira. O tetracampeão anotou o segundo gol da vitória brasileira por 3 a 0 no jogo que também comemorava os 65 anos da inauguração do estádio. Após este jogo, o Pacaembu recebeu a seleção novamente apenas uma vez: no dia 7 de junho de 2011, contra a Romênia. O jogo terminou 1 a 0 para o Brasil, tendo o gol sido marcado por Fred.

7. Início do jejum corintiano

Em fevereiro de 1955, Corinthians e Palmeiras fizeram a final do Campeonato Paulista do ano anterior, 1954. O jogo fez parte das festividades do quarto centenário da cidade de São Paulo e, após empate em 1 a 1, o Corinthians sagrou-se campeão. Porém, a partir dali, o torcedor alvinegro demoraria a comemorar outro título. O suspiro de alívio veio só 22 anos depois, no Campeonato Paulista de 1977, em final contra a Ponte Preta que é lembrada até hoje.

8. Paulo Machado de Carvalho?

Inaugurado sob o título de Estádio Municipal do Pacaembu, posteriormente o local ganhou o nome de Paulo Machado de Carvalho, em homenagem ao 'Marechal da Vitória'. O advogado e empresário brasileiro foi chefe da delegação brasileira nas vitoriosas campanhas dos Mundiais de 1958, na Suécia, e de 1962, no Chile. Por duas oportunidades, também presidiu o São Paulo Futebol Clube. É também conhecido como a 'Voz de São Paulo' no Movimento Constitucionalista de 1932, por conta de sua carreira no rádio.

9. Tobogã

A arquibancada complementar do estádio - popularmente conhecida como 'Tobogã' - foi erguida em 1970, durante a gestão Paulo Maluf na Prefeitura de São Paulo. O 'anexo', que abriga 10 mil torcedores, foi construído no lugar da antiga concha acústica, que antes era posicionada no local para ser palco de diversos espetáculos musicais entre os anos de 1940 e 1970.

10. Casa de shows

Fora do âmbito esportivo, o Pacaembu também abrigou uma série de outros eventos. Rolling Stones, AC/DC, Iron Maiden, Pearl Jam, Paul McCartney, Red Hot Chili Peppers e até mesmo Luciano Pavarotti fizeram apresentações no local. Porém, em 2005, uma liminar proibiu eventos de grande porte não-ligados ao esporte no Pacaembu após a associação de moradores do bairro mover uma ação judicial, julgando serem 'prejudiciais à segurança, ao sossego e à saúde'. Em 2010, o Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão. Desde então, apenas a missa campal realizada pelo Papa Bento XVI aconteceu, no ano de 2007.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.