Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Confortável, Fluminense visita Atlético Nacional para avançar na Sul-Americana

Equipe carioca chega tranquila para o confronto após fazer 4 a 1 no primeiro jogo

Redação, Estadão Conteúdo

29 de maio de 2019 | 08h10

Em situação confortável depois de aplicar goleada de 4 a 1 no primeiro jogo, o Fluminense reencontra o Atlético Nacional nesta quarta-feira, às 21h30 (horário de Brasília), para confirmar sua classificação à próxima fase da Copa Sul-Americana. O duelo será no estádio Atanasio Girardot, em Medellín, na Colômbia.

Com o resultado elástico construído no Maracanã, o Fluminense avança mesmo que seja derrotado por dois gols de diferença. Se perder por três, precisa marcar dois ou mais gols. Um novo 4 a 1, mas a favor da equipe colombiana, faz com que a classificação seja definida nas pênaltis. Quem levar a vaga, enfrentará o vencedor do duelo entre Peñarol e Deportivo Cali nas oitavas de final.

"A gente tem uma vantagem, mas sabe que o Nacional é um adversário difícil ainda mais em casa. Acredito que a torcida vai apoiar, então, temos de tentar marcar um gol nos primeiro minutos", declarou o atacante Yony González.

Com baixas, o Fluminense viajou para Medellín com apenas 18 jogadores. Portanto, o banco de reservas do time carioca, que pode ter até 12 atetas, segundo o regulamento da competição, será composto por apenas sete nomes.

Os desfalques são Pedro, Léo Artur, Ewandro, Kelvin e Yuri, que não estão inscritos no torneio e nem viajaram, e o jovem Marcos Paulo, convocado pela seleção de Portugal para um torneio na França. O atacante tem cidadania portuguesa e vem sendo convocado com frequência para as equipes de base do país europeu.

Por outro lado, Allan e Luciano, suspensos do último jogo contra o Bahia, e Airton, recuperado de problema muscular, retornam ao time. Os dois primeiros devem estar entre os titulares, assim como o jovem João Pedro, sensação da equipe treinada por Fernando Diniz que foi o grande protagonista no primeiro duelo, ao marcar três gols e dar uma assistência

Em crise, ampliada pelo revés dolorido no Rio, o Atlético Nacional tem uma missão duríssima, pois precisa fazer três gols para reverter a desvantagem e seguir na competição. O time colombiano não é mais treinado por Paulo Autuori, que pediu demissão depois da goleada. Alejandro Restrepo assumiu a equipe interinamente e pediu coragem a seus comandados.

Restrepo terá o retorno do lateral-direito Helibelton Palacios, que não atuou no jogo de ida pois estava gripado. O técnico interino aguarda para saber se poderá contar com o zagueiro Alexis Henríquez e o meia Jeison Lucumí, que se recuperam de lesão. A tendência é de que não joguem. Nico Hernández é desfalque certo. A esperança de gols é novamente o centroavante argentino Hernán Barcos, que marcou o gol único no confronto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.