Confusão e bombas na chegada ao estádio

Uma anunciada confusão - com direito a bombas de efeito moral - aconteceu às 21h20, quando a maior parte da torcida do São Paulo chegou ao Beira-Rio. Inconformados com os 2 mil ingressos destinados a eles, os torcedores, durante a tarde compraram muitos ingressos na fila reservada à torcida do Atlético. Na chegada ao estádio, a Polícia não permitiu a entrada para evitar choque com os atleticanos. Seria impossível aceitar as duas torcidas juntas, no mesmo espaço. A discussão começou, com gritos de ambos os lados. A Polícia liberou, então a entrada de todos os torcedores - independentemente do tipo de ingressos - para o local onde já estava a pequena parte da torcida que havia comprado ingressos no Morumbi. Tudo caminhava para um final sem complicações, quando alguns policiais soltaram as bombas. A fumaça sufocou alguns torcedores e criou-se um tumulto que terminou dez minutos depois, com a entrada no estádio. Aproximadamente quatro mil torcedores do São Paulo foram recebidos com vaias dos mais de 20 mil atleticanos, que chegaram be antes ao Beira-Rio. Além da proximidade - a viagem de Curitiba a Porto Alegre é de 700 quilômetros, contra 1100 quilômetros de São Paulo - a diretoria do Atlético fez de tudo para ajudar a torcida. Deu ônibus grátis, colocou entradas na geral a cinco reais e recorreu a golpes de marketing. A diretoria alugou um boeing 737,com capacidade para 120 pessoas. Cada uma pagou 450 reais, em tres prestações. Uma delegação de dirigentes levou uma bandeira do Atlético ao governador Germano Rigotto. Um carro com a bandeira do Grêmio - pago pela diretoria do Atlético - passou todo o dia pedindo apoio ao Atlético. E na Rádio Guaíba, um locutou com acentuado sotaque gaúcho pedia apoio ao Atlético. Não se explicava que era um anúncio pago. O São Paulo teve apoio da torcida Uniformizada Camisa 12, do Inter. Os torcedores querem que o São Paulo ganhe sua terceira Libertadores e ultrapasse os títulos do Grêmio. Os gremistas, por motivos contrários, apoiavam o Atlético.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.