Confusão em Brasília pode render punição inédita a Corinthians e Vasco

Procurador do STJD pede que os clubes joguem fora de seus estádios e só com torcida visitante

Raphael Ramos e Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Corinthians e Vasco podem sofrer uma punição inédita do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). O procurador-geral do tribunal, Paulo Schmitt, ofereceu nesta quinta-feira denúncia contra os clubes por causa da briga de corintianos e vascaínos no último domingo, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, e propõe que as duas equipes sejam punidas com perda de até dez mandos de campo e joguem todas as partidas ou parte delas com portões semiabertos.

Ele explica: “Fica proibida a venda de ingresso para o clube infrator. O mandante não vai ter ingresso, mas o visitante vai ter. Se o estádio tiver capacidade para 40 mil pessoas e a carga de ingressos para o visitante for de 10%, então apenas 4 mil poderão assistir ao jogo.”

Segundo Schmitt, ele resolveu oferecer esse tipo de punição porque não acha justo o torcedor do time visitante ser impedido de acompanhar a partida. “Faz muito tempo que eu venho brigando por isso. Sei que é difícil executar e controlar, mas acho que vale a pena porque é pedagógico. O visitante não tem nada a ver com isso.”

Os clubes foram enquadrados no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e o julgamento vai ocorrer na quarta-feira. Para o Corinthians, perder o mando de campo e jogar sem sua torcida é ainda pior, porque o time vende muitos ingressos antecipadamente pelo Programa Fiel Torcedor. Para o jogo deste domingo, contra o Flamengo, mais 29 mil ingressos já foram vendidos, por exemplo.

Dirigentes do clube dão como certa que alguma punição virá e já trabalham para entrar com efeito suspensivo após a decisão do tribunal. E depois, o clube vai entrar com pedido de defesa para tentar diminuir a pena, se possível pagando apenas uma multa de até R$ 100 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.