Confusão marca final do Paulistão

Se Oswaldo de Oliveira ou Geninho tinham a intenção de jogar fechadinhos, em busca de dois empates que dariam o título a seus times, podem mudar de idéia. Por mais ilógico que possa parecer, ainda não se sabe quem será campeão caso ocorram dois resultados iguais entre Corinthians e São Paulo na final do Paulistão. A primeira partida é domingo, às 18h05, no Morumbi.Nesta sexta-feira, Antonio Roque Citadini, vice-presidente de futebol do Corinthians, enviou um ofício à Federação Paulista, exigindo que o Comitê Executivo da entidade se reúna e decida de quem é a vantagem. O comitê é formado por sete membros e cabe a ele resolver os "casos omissos" de que fala o Artigo 21 do regulamento."A questão da vantagem ainda não está definida, e só o Comitê pode decidir isso. Caso a Federação não passe a questão, até o comitê estará cometendo uma quebra regimental muito grave", afirmou Citadini, que explica o fato de haver entrado apenas hoje com o ofício. "O Corinthians tem o seu tempo e é quem decide o momento certo de fazer as coisas."Citadini não aceita a possibilidade de haver dois campeões, como em 1973, quando Portuguesa e Santos dividiram o título. Também deixa claro que o Corinthians fará os dois jogos - "esse negócio de não entrar em campo não é para o Corinthians, não" - e deixa no ar que poderá buscar a Justiça Comum para definir a questão. "Na hora certa, vamos ver o que fazer."Marcelo Portugal Gouvêa, presidente do São Paulo, não acredita que Citadini busque a Justiça Comum. "Ele e eu vamos seguir o que for decidido na Federação. Tenho certeza."Todas as partes envolvidas na decisão admitem que o regulamento foi mal redigido. "O artigo poderia ser mais claro? Poderia, concordo, mas o espírito da lei está correto. Isso é o que interessa", disse o presidente da FPF, Eduardo José Farah.Para Farah, "a interpretação do regulamento privilegia os aspectos técnicos e não disciplinares. Seria ilógico que o número de cartões vermelhos tivesse grande poder de decisão. Só entrou no regulamento para terminar com a decisão por pênaltis, o último requisito. Por essa razão, ao analisar o regulamento pelo espírito da lei, posso dizer que a vantagem é do São Paulo."Marcelo Portugal Gouvêa é sincero. "Eu li o regulamento e reconheço que não é absolutamente claro, mas isso é normal em regulamentos. Acabei de ler também o regulamento do Campeonato Brasileiro e parece que tudo está correto, mas pode aparecer alguma coisa diferente mais para a frente. Os jornalistas é que reclamam. A gente deveria dar o regulamento para eles fazerem e ver se tudo dá certo."Para o presidente do São Paulo, não há dúvida sobre quem terá a vantagem nas finais. "É o São Paulo. O presidente da Federação já deixou isso claro. É ele quem decide", garantiu Marcelo Portugal Gouvêa, mostrando uma vez mais toda a dependência que os clubes têm em relação a Farah. A reunião do Comitê não o assusta. "São pessoas ligadas à Federação e não votarão contra a vontade do presidente. Os artigos sempre privilegiam critérios técnicos e, nesses, o São Paulo leva vantagem."Marcelo Portugal Gouvêa e Citadini concordam que não há problemas no fato de o Comitê reunir-se só após o primeiro jogo. Dizem que, como não há vantagem que se defina em uma partida, tudo pode ser decidido durante a semana. "Quero que o São Paulo seja campeão no campo. Assim, não haverá problemas", revelou o presidente são-paulino.Entenda a confusão - O Corinthians pleiteia a vantagem do empate baseando-se no Artigo 6 do regulamento do Campeonato Paulista. O artigo lista os seguintes critérios de desempate:a) maior número de vitórias; b) melhor saldo de gols; c) maior número de gols pró; d) menor número de cartões vermelhos; e) menor número de cartões amarelos; f) vantagem no confronto direto. Em nenhum momento diz que está se referindo a todas as fases do campeonato. Fica entendido que está se referindo apenas aos dois jogos finais.Se a referência fosse a todas as fases, o São Paulo seria o beneficiado porque tem melhor saldo de gols (item b). Se estiver se referindo apenas aos dois jogos finais, os times empatarão em todos os critérios técnicos de desempate e o Corinthians passaria a ter vantagem porque tem menos cartões vermelhos.O presidente Eduardo José Farah reconhece que a redação está ?confusa? e, para fugir da confusão que se aproxima, lança mão do Artigo 21, que dá ao Comitê Executivo da Federação o direito de definir ?casos omissos?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.