Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Confusão no Pacaembu após jogo entre Corinthians e Santos

Até o presidente do clube praiano, Marcelo Teixeira, entrou em conflito com policiais militares no estádio

Alex Sabino, Jornal da Tarde

22 de março de 2009 | 20h07

SÃO PAULO - Assim que terminou o clássico, uma confusão tomou conta do Pacaembu. Um torcedor do Corinthians colocou uma faixa na grade que separava as duas torcidas, e a faixa foi tirada por um santista. Outros a pisotearam e botaram fogo no pedaço de tecido.

Veja também:

video TV ESTADÃO: Gol e a confusão na torcida

video TV ESTADÃO: Ronaldo e sua participação

video TV ESTADÃO: Presidente do Santos reclama

video TV ESTADÃO: Fábio Costa cobra atitude

linkConfusão toma conta do Pacaembu após o clássico

linkRonaldo destaca vitória e avisa: 'Não vou marcar sempre'

linkMancini diz que poderá usar novamente três atacantes

linkMano comemora fim do jejum corintiano em clássicos

som Eldorado/ESPN - Ouça o gol da vitória corintiana

mais imagens Galeria de fotos do clássico

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"

Foi a senha para que a Polícia Militar entrasse em ação contra integrantes das duas torcidas, com golpes de cassetetes. Nos minutos após o apito final, 15 torcedores do Santos foram detidos. Um sinalizador foi atirado por integrantes de uma torcida organizada do time visitante.

Quando a tensão parecia diminuir, os ânimos foram inflamados por pessoas que estavam no camarote da diretoria do Santos. Os irmãos do presidente Marcelo Teixeira, Mohammed Teixeira e Milton Teixeira Filho, atiraram objetos e água nos torcedores corintianos nas numeradas. Gritavam que não demoraria e o Corinthians iria jogar na Vila Belmiro, já inflamando os ânimos para o próximo confronto entre as duas equipes, no Campeonato Brasileiro - ou talvez na fase final do Paulistão.

Cercado por seguranças, o mandatário do clube saiu pelo setor onde estava a torcida do Santos cuspindo marimbondos e xingando policiais militares. "Venham me bater agora, seus f.d.p.! Por que não vêm agora? Podem bater no presidente do Santos...", berrou, enquanto era empurrado em direção à saída do estádio por assessores e seguranças mal-encarados. Nem os torcedores santistas, contudo, pouparam o cartola, xingando-o e criticando o time montado para a atual temporada.

Mais calmo, no vestiário, Teixeira considerou a torcida santista vítima da ação da polícia e das provocações dos corintianos. "Foi um clássico que começou com medidas e ações desastrosas. Quero dizer às autoridades que não basta limitar a 5% dos ingressos para a torcida visitante. Nós tivemos cenas lamentáveis não por causa dos 5% da torcida do Santos, que ficou encurralada e apanhando da Polícia Militar", protestou o presidente, negando ter jogado qualquer objeto na torcida corintiana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.