Arquivo Pessoal/Henrique Porto
Arquivo Pessoal/Henrique Porto

Conhaque, meia-calça e Felipão em campo: livro conta histórias dos jogos sob neve no Brasil

Pesquisa de quatro anos resgata detalhes das partidas disputadas sob frio intenso e conta quais soluções os jogadores adotaram

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2020 | 08h00

Um goleiro em campo com meia-calça, doses de bebida alcoólica no vestiário, jornais para forrar os pés. Todos os detalhes dos bastidores dos raros jogos oficiais disputados sob neve no Brasil estão em um livro recém-lançado pelo escritor catarinense Henrique Porto. Após quatro anos de pesquisa e mais de dez entrevistas, o autor coletou na obra Pé-frio, futebol e neve no Brasil (Design Editora) as curiosidades vividas nas oito partidas com registro confirmado de nevasca.

Todos esses jogos foram disputados na década de 1970 no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina e valeram pelos respectivos Campeonatos Estaduais. Das oito partidas sob neve, seis foram no mesmo dia. Em 30 de maio de 1979 uma forte onda de frio fez as temperaturas despencarem. "Foi um ano de inverno bem atípico. Chegou a nevar no deserto do Saara e até em Las Vegas, nos Estados Unidos. No Sul, a população até duvidou da previsão do tempo e muitos times sequer estavam preparados para tanto frio", contou o escritor ao Estadão.

Para reconstruir essas histórias, o autor pesquisou em arquivos de jornais da época e entrevistou jogadores e torcedores presentes aos estádios para levantar as informações sobre as condições climáticas tão raras e adversas. Uma curiosidade é que duas dessas partidas tiveram o mesmo zagueiro presente na escalação. Muito antes de virar um técnico vitorioso, Luiz Felipe Scolari esteve em campo pelo Caxias em um jogo disputado na neve em 1978 contra o Cruzeiro (RS) e no ano seguinte diante do Grêmio Bagé.

Em entrevista ao autor do livro, Felipão contou o quanto sofreu com o frio e como no vestiário durante o intervalo do jogo o time buscava se aquecer com uma bebida especialmente preparada para o inverno. "Tomamos café preto com graspa, porque lá em Caxias o costume é tomar graspa. Aquilo era forte, chegávamos a ficar com as orelhas e o nariz vermelhos. Era horrível, mas dava ânimo para entrar novamente em campo", contou. A graspa é uma espécie de pinga feita à base de uva. O teor alcóolico chega a 60%.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Tomamos café preto com graspa, porque lá em Caxias o costume é tomar graspa. Aquilo era forte, chegávamos a ficar com as orelhas e o nariz vermelhos
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Luiz Felipe Scolari, Zagueiro do Caxias na década de 1970

Quem se aventurou a disputar os outros jogos sob nevasca também tinha de buscar algumas artimanhas para minimizar o frio. "Os jogadores sofriam com as roupas. Era preciso colocar dentro da chuteira jornais e sacos plásticos para esquentar os pés. Teve jogador que usou camisa de lã por baixo. O caso mais interessante é o do goleiro do Criciúma, que comprou uma meia-calça para usar por baixo do uniforme. Era comum os times tomarem no vestiário café com conhaque para se esquentar", contou o escritor.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Os jogadores sofriam com as roupas. Era preciso colocar dentro da chuteira jornais e sacos plásticos para esquentar os pés. Teve jogador que usou camisa de lã. O caso mais interessante é o do goleiro do Criciúma, que comprou uma meia-calça para usar por baixo do uniforme. Era comum os times tomarem no vestiário café com conhaque para se esquentar
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Henrique Porto, Autor do livro

Os jornais da época chegaram a relatar a temperatura com até -3ºC nos jogos disputados sob neve. Todos esses encontros tiveram até a presença de corajosos torcedores. Algumas dessas testemunhas foram entrevistadas pelo autor e relataram que o principal problema na ocasião foi conseguir enxergar a partida diante da tempestade e da bola branca perdida em meio aos flocos que caídos no gramado.

"Em geral o primeiro tempo dos jogos era até interessante. Depois o campo virava um lamaçal por causa da neve e prejudicava o futebol", contou o autor. No livro, ele separa um capítulo para cada uma das partidas e conta além das condições climáticas, como foi o jogo. Fora as oito partidas narradas, o escritor cita um amistoso de 1968 entre Juventude e Fluminense, em Caxias do Sul. A partida gerou polêmica, pois enquanto o historiador do clube gaúcho sustenta que houve neve, um jogador do time carioca defende que não houve tempestade.

OS JOGOS DISPUTADOS SOB NEVE

7/7/1975 – Juventude (RS) 2x0 Internacional-SM (RS)

12/8/1978 – Caxias (RS) 2x2 Cruzeiro (RS)

30/5/1979 – Chapecoense (SC) 3x2 Criciúma (SC)

30/5/1979 – Esportivo (RS) 0x0 Grêmio (RS)

30/5/1979 – Caçadorense (SC) 3x1 Palmeiras (SC)

30/5/1979 – Caxias (RS) 1x0 Grêmio Bagé (RS)

30/5/1979 – Internacional (SC) 1x1 Avaí (SC)

30/5/1979 – Gaúcho (RS) 0x0 Farroupilha (RS)

SERVIÇO

Pé-frio, futebol e neve no Brasil

R$ 60 (valor inclui o frete)

https://www.designeditora.com.br/pefrio

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.