Angela Ponce/ Reuters
Angela Ponce/ Reuters

Conheça o ex-goleiro do Borussia Dortmund e Atalanta que quer ser presidente do Peru

George Forsyth disputou a Copa América de 2007 e tem passagens por clubes europeus

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 10h00

O ex-goleiro George Forsyth está visando os jovens do Peru para ajudar sua candidatura às eleições presidenciais do mês que vem, e promete virar a página de décadas de escândalos de corrupção no país. Forsyth jogou no Alianza Lima, no Borussia Dortmund (Alemanha), e na Atalanta (Itália). Com a seleção peruana, disputou a Copa América de 2007.

Seu grande momento como jogador foi em 2006, ano em que foi eleito o melhor goleiro do Peru. Naquela temporada, chegou a ficar 553 minutos sem sofrer gols, um recorde no  Alianza Lima.

Sua mãe é ex-miss Chile e o pai é embaixador no Japão. Forsyth nasceu em Caracas, na Venezuela, quando seu pai trabalhava na embaixada do Peru. 

Na política desde 2010, Forsyth está entre os favoritos para a votação de 11 de abril, mas o cenário está fragmentado e muitos eleitores estão indecisos. Ele foi eleito prefeito do distrito de La Victoria nas eleições municipais de 2018 e permaneceu no cargo até outubro de 2020.

Se eleito presidente, o ex-goleiro de 38 anos se comprometeu a manter a estabilidade macroeconômica. Mas também quer conter os tumultos sociais causados pela extração de recursos naturais criando um "fundo de mineração" para que os direitos de exploração ajudem comunidades locais.

As gerações mais jovens do Peru não aguentam mais os ciclos de corrupção que atingiram políticos do segundo maior produtor de cobre do mundo, disse Forsyth à agência Reuters em seu escritório de campanha no bairro abastado de Miraflores da capital Lima. "Minha juventude é uma vantagem adicional, tenho energia e ímpeto, e represento uma geração cansada que não acredita mais em políticos", disse Forsyth. "Esta 'mesmocracia', estes políticos da velha guarda estão com medo de nos", acrescentou.

Combater a corrupção é um de seus principais temas principais. Cinco ex-presidentes peruanos foram investigados ou processados por corrupção em somente duas décadas, e outro se suicidou para evitar ser preso devido a investigações de lavagem de dinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.