Karim Jaafar/AFP
Karim Jaafar/AFP

Conheça o francês Gignac, artilheiro do Tigres e adversário do Palmeiras no Mundial

Atacante de 35 anos é o maior goleador da história do clube e tem forte trabalho social com crianças no México

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2021 | 08h00

O maior artilheiro da história do Tigres e o estrangeiro com mais gols na história do futebol mexicano será o rival do Palmeiras no próximo domingo. O francês André-Pierre Gignac será o adversário mais vigiado da defesa alviverde na semifinal do Mundial de Clubes. Aos 35 anos, o centroavante de 1,85 m mescla a qualidade dentro de campo com a identificação e o trabalho social feito fora do futebol dedicado ao atendimento de crianças com lábios leporinos, problema genético de má formação da boca.

Gignac está no Tigres há cinco anos e meio e tem a carreira marcada por alguns episódios vinculados ao Brasil. O francês estreou pelo time mexicano na semifinal da Libertadores de 2015, contra o Inter, em Porto Alegre. O atacante marcou um gol na partida de volta, em Monterrey, e ajudou o time a se classificar. O título não veio, mas os primeiros meses de Gignac no clube ficaram marcados pela ótima parceria com o brasileiro Rafael Sóbis.

Nesta edição do Mundial de Clubes, o atacante marcou os dois gols da vitória sobre o Ulsan, da Coreia. Uma atuação para comprovar o quanto está disposto se tornar ainda mais ídolo do clube. "Vamos passo a passo e jogo a jogo. Nós estamos aqui (no Catar) para fazer história. Não foi fácil passar por esse primeiro jogo", disse. O objetivo do Tigres agora é passar pelo Palmeiras e se tornar um primeiro mexicano a decidir o torneio. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Vamos passo a passo e jogo a jogo. Nós estamos aqui (no Catar) para fazer história. Não foi fácil passar por esse primeiro jogo
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gignac, Atacante do Tigres

O francês foi parar no futebol mexicano em uma transferência inusitada. O atacante terminou o contrato com o Olympique de Marselha e estava de férias no Caribe quando aceitou a proposta. Após uma viagem rápida para Monterrey, assinou contrato e aceitou receber um dos salários mais altos do campeonato local. A remuneração é paga até hoje com recursos de uma empresa fabricante de cimento que é dona do Tigres.

O jogador tinha um grande destaque no futebol francês antes de vir ao México. Gignac jogou a Copa do Mundo de 2010 pelo seu país e na temporada 2014-15 terminou como vice-artilheiro da liga pelo Olympique. Antes, tinha defendido o Lorient e Toulouse. Descendente de ciganos, o jogador tem dois primos que foram atletas profissionais e continua muito ligado ao seu país de origem. Já como atleta do Tigres, disputou a Eurocopa de 2016 pela França e quase fez o gol do título. Aos 43 minutos do segundo tempo da final contra Portugal um chute dele acertou a trave. Na prorrogação, o time de Cristiano Ronaldo ganhou por 1 a 0.

Desde 2015 no México, Gignac virou um grande ídolo da torcida. Os gols e nove títulos conquistados garantiram uma identificação enorme. Um exemplo disso foi que ao comemorar um gol em um amistoso pela França, o atacante foi à câmera e fez com as duas mãos as letras L e L. A referência foi à torcida organizada do Tigres, chamada Locos y Libres (Loucos e Livres).

A atuação dele também é muito forte fora de campo. Gignac montou anos atrás uma fundação que leva seu nome. O trabalho é voltado a ajudar crianças com lábios leporinos, problema de má formação da boca em que o lábio superior apresenta uma fenda. As crianças que apresentam essa condição podem desenvolver dificuldade para respirar e deformidade nos dentes. O projeto liderado pelo atacante teve início ano passado e logo já houve o primeiro beneficiado. Um menino que foi batizado como André em homenagem ao artilheiro francês teve a cirurgia para reparação do lábio paga pelo francês.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.