Harold Cunningham/Fifa
Harold Cunningham/Fifa

Conheça os adversários das seleções masculina e feminina de futebol nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Time masculino vai enfrentar Alemanha, Costa do Marfim e Arábia Saudita na primeira fase; os adversários do time feminino serão China, Zâmbia e Holanda

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2021 | 05h34

A Fifa realizou nesta quarta-feira, 21, o sorteio das chaves do torneio de futebol da Olimpíada de Tóquio. Ao todo, 16 seleções masculinas e 12 femininas participarão da competição. As partidas serão disputadas em seis cidades — Tóquio, Sapporo, Saitama, Miyagi, Yokohama e Ibaraki — entre 21 de julho e 7 de agosto.

Atual campeã olímpica, a seleção brasileira masculina abre o grupo D e vai enfrentar Alemanha, Costa do Marfim e Arábia Saudita na primeira fase. Brasil e Alemanha, inclusive, fizeram a última final olímpica no Maracanã. As partidas do Brasil serão disputadas nos estádios de Yokohama e de Saitama. Já o time feminino ficou no grupo F e vai enfrentar China, Zâmbia e Holanda nos estádios de Miyagi e Saitama.

Confira os grupos e as datas dos jogos.

Seleções masculinas

  • Grupo A: Japão, África do Sul, México e França
  • Grupo B: Nova Zelândia, Coreia do Sul, Honduras e Romênia
  • Grupo C: Egito, Espanha, Argentina e Austrália
  • Grupo D: Brasil, Alemanha, Costa do Marfim e Arábia Saudita

Seleções femininas

  • Grupo E: Japão, Canadá, Reino Unido e Chile
  • Grupo F: China, Brasil, Zâmbia e Holanda
  • Grupo G: Suécia, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia

Jogos da seleção masculina

  • Brasil x Alemanha, dia 22/07, às 5h30 (horário de Brasília), no estádio de Yokohama
  • Brasil x Costa do Marfim, dia 25/07, às 5h30 (horário de Brasília), no estádio de Yokohama
  • Brasil x Arábia Saudita, dia 28/07, às 5h (horário de Brasília), no estádio de Saitama

Jogos da seleção feminina

  • Brasil x China, dia 21/07, às 5h (horário de Brasília), no estádio de Miyagi
  • Brasil x Holanda, dia 24/07, às 8h (horário de Brasília), no estádio de Miyagi
  • Brasil x Zâmbia, dia 27/07, às 8h30 (horário de Brasília), no estádio de Saitama

Preparação

A seleção brasileira masculina, treinada por André Jardine, já negocia com os principais clubes da Europa a liberação de atletas que atuam no continente. O torneio de futebol masculino é limitado a jogadores sub-23 (em Tóquio a idade limite será 24 anos por causa do adiamento dos Jogos). No entanto, a regra permite que cada seleção possa convocar três atletas com mais do que 24 anos. Após a fase de grupos, os dois melhores de cada chave se classificam para as quartas de final, de onde a competição segue em formato de mata-mata até a decisão.

A comissão técnica do Brasil trabalha com a possibilidade de chamar um goleiro entre esses jogadores acima de 24 anos. Weverton, do Palmeiras, está entre os cotados. Ele foi campeão na Rio-2016, quando ficou 509 minutos sem sofrer um único gol, recorde no torneio olímpico masculino de futebol. Weverton não foi vazado contra África do Sul, Iraque, Dinamarca, Colômbia e Honduras, até sofrer um na final contra a Alemanha, no Maracanã.

Durante todo seu período de preparação, a seleção olímpica já fez 20 partidas, com 14 vitórias, três empates e três derrotas. Foram 48 gols marcados e 17 sofridos. O artilheiro é o atacante Matheus Cunha, que já marcou 16 gols. Atrás dele estão Anthony e Paulinho, com seis cada.

Nestas partidas, o técnico André Jardine pôde observar 68 atletas diferentes e conquistar o Torneio Maurice Rivello (antigo Torneio de Toulon), além de assegurar a vaga em Tóquio no Pré-Olímpico da Colômbia, no início de 2020. 

Entre as mulheres, a Alemanha, atual campeã, não se classificou para os Jogos de Tóquio. Assim, o favoritismo está com os Estados Unidos. Treinado desde 2019 pela sueca Pia Sundhage (bicampeã olímpica com os Estados Unidos) e liderado por Marta, o Brasil busca o ouro olímpico inédito. Após a fase de grupos, os dois melhores de cada chave e os dois melhores terceiros colocados se classificam para as quartas de final.

O Brasil é uma das seleções mais tradicionais do torneio olímpico de futebol feminino, com marcas ostentados por Cristiane e Formiga. Com 14 gols, a atacante é a maior artilheira entre homens e mulheres do futebol nos Jogos Olímpicos. Já a volante, que esteve em todas as competições olímpicas de futebol feminino até aqui, poderá chegar à sua sétima participação em Olimpíadas caso seja convocada pela técnica sueca Pia Sundhage, que por sinal tem um capítulo a parte na história dos Jogos Olímpicos. Ela esteve em todas as seis edições como jogadora, técnica ou parte da comissão técnica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.